Colaboradores do Tribunal mineiro recebem informações sobre campanha Sinal Vermelho

Um grupo de mulheres que atuam nos bastidores, mantendo a limpeza do Edifício Sede do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), na capital mineira — um trabalho que se tornou especialmente importante, em meio à crise sanitária provocada pela pandemia de Covid-19 — recebeu um olhar especial da Presidência da Casa, na sexta-feira (7/8).

Como parte das celebrações do Judiciário mineiro pelos 14 anos da Lei 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha, promulgada em 7 de agosto de 2006, o TJMG, por meio de sua Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e familiar (Comsiv), levou a essas colaboradoras mais informações sobre o tema e as presenteou com um kit, contendo um esmalte vermelho e um creme para as mãos.

Os itens foram entregues a cerca de 70 serventes que trabalham no Edifício Sede do TJMG pelo próprio presidente da Corte mineira, desembargador Gilson Soares Lemes, e pelas desembargadoras Ana Paula Nannetti Caixeta e Paula Cunha e Silva, respectivamente, superintendente e superintendente adjunta da Comsiv.

Participaram ainda da entrega o desembargador José Flávio de Almeida, 1º vice-presidente; o desembargador Tiago Pinto, 2º vice-presidente do TJMG; a juíza auxiliar da Presidência Rosimere das Graças do Couto; a gerente de acompanhamento de Gestão de Serviços Gerais, Luíza Augusta de Souza; e a irmã Cristina Bove, que integra a Pastoral Nacional do Povo da Rua.

Juntamente com os brindes, as trabalhadoras receberam um folheto destacando a campanha nacional Sinal Vermelho para a Violência Doméstica. A desembargadora Paula Cunha e Silva explicou a elas como é a iniciativa, incentivando que todas disseminem as informações, especialmente em tempos de isolamento social.

Lei Maria da Penha: 14 anos

“Estamos comemorando, exatamente nesta sexta-feira, os 14 anos da Lei Maria da Penha, e viemos aqui para entregar um presente a vocês, para marcar esta data. Essa é uma lei muito importante no combate à violência doméstica e familiar contra a mulher”, ressaltou o presidente Gilson Lemes durante o encontro.

Além de agradecer a cada uma das profissionais da limpeza que se encontravam no evento, o desembargador explicou a elas que o Tribunal estadual mineiro não tem poupado esforços para desenvolver projetos e ações que possam contribuir para a erradicação desse tipo de violência.

Dirigindo-se às colaboradoras, a superintendente da Comsiv explicou que a Lei Maria da Penha é específica para a violência que se faz contra a mulher. “Espero que vocês todas, com a força feminina que representam, e também os homens que aqui estão, representando outros setores do Tribunal, possam nos ajudar a multiplicar essa campanha.”

A desembargadora Ana Paula Nannetti Caixeta destacou então que a mulher tem o direito de defesa e o direito de ser socorrida, e que o Estado, como um todo, pode oferecer o amparo para encaminhar as situações de violência. “Precisamos estar unidas, fazer nossas reflexões e perder a vergonha, pois a violência doméstica é algo que acontece com todas nós; precisamos enfrentar e superar.”

A superintendente da Comsiv ainda agradeceu ao presidente Gilson Soares Lemes pela adesão à ação que estava sendo realizada, bem como aos demais membros da direção do TJMG. E fez um agradecimento especial também a cada uma das serventes, pelo trabalho de higienização que realizam nos espaços do Judiciário mineiro.

Fórum Lafayette

A ação atingirá ainda cerca de 200 outras colaboradoras do setor de limpeza das demais unidades do TJMG em Belo Horizonte. Nesta sexta-feira, os kits foram entregues a colaboradores do Fórum Lafayette pelo juiz Marcelo Gonçalves de Paula, do 2º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Belo Horizonte, e pela juíza Maria Aparecida Consentino Agostini, do 1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Belo Horizonte.

Representando a superintendente da Comsiv, desembargadora Ana Paula Nannetti Caixeta, a juíza Maria Consentino destacou que o kit de cuidados e beleza tem o simbolismo de valorizar a autoestima das mulheres e o amor próprio, para que todos os dias, ao se cuidarem, se lembrem da importância de reconhecer seu valor e sua força, para impedir que elas se tornem vítima de violência doméstica.

Dezoito mulheres presentes ao encontro receberam os kits de cuidado e beleza. A servente de limpeza Jandira Andrade da Silva gostou muito do kit e da mensagem de homenagem e alerta da juíza Maria Consentino, que reforça a importância de estar atenta aos sinais de violência doméstica. Para tentar ajudar, ela exemplificou que pode acionar a polícia se estiver em casa e ouvir gritos que indiquem ocorrência de violência doméstica.

Na palma da mão

A campanha Sinal Vermelho para a Violência Doméstica tem como objetivo ajudar mulheres em situação de violência, durante a pandemia, uma vez que, em tempos de isolamento social, muitas delas enfrentam mais dificuldades para denunciar os agressores.

Basta que a vítima faça um X vermelho na palma da mão e, dessa maneira silenciosa, peça ajuda em farmácias e drogarias do país, mostrando o sinal a um atendente dos estabelecimentos que aderirem à campanha. Eles estarão preparados para reportar a situação ao 190, uma vez que a marca indicará que aquela mulher se encontra em situação de violência.

Fonte: TJMG

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/colaboradores-do-tribunal-mineiro-recebem-informacoes-sobre-campanha-sinal-vermelho/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=colaboradores-do-tribunal-mineiro-recebem-informacoes-sobre-campanha-sinal-vermelho.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça Federal da 3ª Região lança plataforma sobre Lei de Importunação Sexual

O presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), desembargador federal Mairan Maia, a …