Boletim ao vivo | Microempresa é condenada por reter carteira de empregada durante nove meses


                         Baixe o áudio
      

 

Na reclamação trabalhista, a auxiliar de estética informou que desligou-se da empresa em agosto de 2015, mas a carteira de trabalho só foi devolvida em maio do ano seguinte.

Segundo a empresa, a situação não está entre as que autorizam a presunção de dano moral e que este teria de ser comprovado. Ainda segundo a defesa, a experiência, em eventual pré-contratação, poderia ser facilmente comprovada com a retirada do CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) no INSS.

O caso foi julgado pela Sétima Turma do TST. Confira na reportagem com Michelle Chiappa.

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Encarregado consegue aumentar valor de indenização após situação de homofobia

Para a 6ª Turma, o valor fixado de R$ 8 mil não foi proporcional ao …