Webinar debate a igualdade de gênero no Judiciário e na sociedade brasileira

“O Judiciário é uma fotografia da desigualdade de gênero no Brasil”. A frase é da 1ª vice-presidente do TJDFT, desembargadora Ana Maria Duarte Amarante Brito, e foi proferida durante o webinar Questões de Gênero, que história e essa?, promovido pela Escola de Formação Judiciária do TJDFT. O evento, realizado na quinta-feira (6/8), por videoconferência, também contou com a participação da 2ª Vice-Presidente do Tribunal, desembargadora Sandra De Santis, e da juíza federal Tani Maria Wurster.

Ao abordar a desigualdade entre homens e mulheres no Poder Judiciário, a 1ª vice-presidente do Tribunal lembrou que, em São Paulo, maior cidade do Brasil, a primeira juíza, Zélia Maria Antunes Alves, foi admitida somente em 1981. “Ela havia se candidatado outras vezes, mas não era aprovada. O acesso das mulheres ao judiciário foi muito lento, especialmente na 2ª instância e nos tribunais superiores. Atualmente, no Supremo Tribunal Federal (STF), temos apenas duas representantes do gênero feminino.”

A magistrada disse, ainda, que a participação da mulher no judiciário é essencial para cumprir o ideário da democracia brasileira. “Na Constituição Federal, temos como fundamento da República Federativa do Brasil a dignidade da pessoa humana. Só se exerce, efetivamente, a cidadania quando os detentores do poder de decisão representam a real composição da sociedade que, em nosso caso, é, em sua maioria, composta por mulheres.”

A 2ª vice-presidente do TJDFT, desembargadora Sandra De Santis, destacou, em sua fala, que a mudança do cenário desfavorável para a mulher começou a mudar pela educação e, por meio dela, será possível corrigir boa parte das injustiças cometidas ao longo de séculos. “Hoje, no Brasil, 60% dos formandos em cursos superiores já são mulheres. Nas conclusões de mestrado e doutorado, o gênero feminino também tem sido maioria.”

A desembargadora observou, no entanto, que há outro desafio a ser enfrentado, além da igualdade de oportunidades e salários. “Os esforços também se unem para a igualdade de tratamento, seja em casa ou no trabalho. Não podemos esquecer que as mulheres ainda têm maior sobrecarga na divisão das atividades entre a família e o emprego”, declarou. Por fim, a magistrada comemorou o fato de as mulheres ocuparem, atualmente, três dos quatro cargos da administração do TJDFT. “Espero que possamos servir de exemplo a outras mulheres do Brasil.”

A juíza federal Tani Maria Wurster, por sua vez, trouxe ao evento dados que refletem o déficit de representatividade feminina no Poder Judiciário brasileiro. Segundo ela, pesquisas indicam que as mulheres correspondem a 51,6% da população brasileira, mas as juízas representam apenas 38,8% do total de magistrados no país. Desse já baixo percentual, 45,7% é formado por juízas federais substitutas e apenas 25,7% corresponde ao número de desembargadoras.

Para a juíza, existe uma suposta neutralidade entre os magistrados, no tocante à questão de gênero, ao proferir decisões e sentenças. “Na verdade, é preciso refletir mais sobre o tema e, pensando nisso, a Associação dos Juízes Federais do Brasil está criando uma cartilha que orienta a categoria sobre como julgar com perspectiva de gênero.”

Ao final do evento, muito elogiado pelos 150 participantes, entre servidores e magistrados da Casa, foi apresentado um vídeo sobre a representatividade feminina na instituição, elaborado pela Subsecretaria de Gestão Integrada de Pessoas do TJDFT. Para ter acesso ao vídeo, clique aqui.

Fonte: TJDFT

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/webinar-debate-a-igualdade-de-genero-no-judiciario-e-na-sociedade-brasileira/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=webinar-debate-a-igualdade-de-genero-no-judiciario-e-na-sociedade-brasileira.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …