Corregedor fala sobre a aplicação da inteligência artificial no Poder Judiciário

A aplicação da inteligência artificial pelo Poder Judiciário foi abordada pelo corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, na palestra “Processo Eletrônico, Virtualização dos Atos Processuais e Inteligência Artificial nos Tribunais”, durante a IX Conferência Estadual da Advocacia. O evento, realizado por videoconferência, foi promovido pela Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul, nesta quarta-feira (12/8).

Humberto Martins destacou que é possível identificar cinco áreas da prática jurídica que se apresentam promissoras para a aplicação da inteligência artificial: pesquisa jurídica, geração de documentos, descobertas preditivas, resumos de casos e descrições e, por fim, predição de resultados de processos judiciais. Na pesquisa jurídica, segundo o ministro, o ponto central da evolução dos sistemas de busca é conseguir prever, com razoável grau de acerto, a importância do documento.

Um modo de fazer isso é permitir que o sistema compute o número de acessos de uma base pública de dados. “Imaginemos a base do Superior Tribunal de Justiça. Ao acoplar um contador de acessos de quantas vezes o público baixou o documento, teremos um indicador de sua importância. A mesma lógica pode ser realizada por meio da contagem de citações do acórdão em outros acórdãos. Ou, ainda, a contagem de sua utilização na jurisprudência dos tribunais regionais e estaduais”, explicou o corregedor.

Programação

O ministro também destacou o uso da automação para a geração de documentos jurídicos. Segundo ele, a diferença que pode ocorrer é a aplicação de programa de aprendizado de máquina para fornecer sugestões de modelos aplicados a partir de identificação do caso concreto. Ou, ainda, o programa de computador sugerir mudanças no formulário potencialmente aplicável.

“A depender dos termos do documento processado pelo programa, ele poderá sugerir diversos tipos de documentos-padrão. Logo, se um programa de computador consegue ler, compreender e sugerir documentos, fica claro que é possível que o mesmo tipo de programação permita a geração de outros tipos de textos”, assinalou Martins.

O corregedor citou ainda o uso da inteligência artificial para a geração de resumos de casos e descrições. “Imagine que um programa de computador possa ler uma petição inicial e gerar um modelo prévio com um resumo do caso das descrições. Os sistemas atuais conseguem produzir um resumo de um texto bruto com algum grau de fidelidade. Porém, todo o trabalho ainda exige que sejam envidados esforços pelos usuários para revisar o documento em busca de incoerências.”

Resultados de processos

Quanto à predição de resultados de processos judiciais, Humberto Martins falou que é possível classificar as ações judiciais em várias ações-tipo e, assim, classificar uma expectativa de decisão de cada julgador. Segundo o ministro, já existem programas no Brasil que tentam fazer essa “adivinhação” do resultado provável de uma ação judicial.

“Esse tipo de programa pode ser refinado, inclusive, para sugerir ao advogado a jurisprudência potencialmente mais adequada para a decisão. O ponto central é que o programa de computador (algoritmo) possuirá capacidade de aprendizado. Assim, quanto mais informações ele tiver, mais precisa será a sua resposta sobre a probabilidade de resultados.”

O corregedor nacional afirmou que os exemplos ele explicam, de modo simples e acessível, como o aprendizado de máquina já está sendo utilizado, no Brasil e no mundo, para melhorar a atividade dos tribunais. Entretanto, ainda não existe confiabilidade técnica, jurídica e ética para se ter programas de computador para substituir as decisões humanas.

“Os programas têm sido utilizados como assistentes no processo de decisão, mas tudo precisa ser verificado e supervisionado por seres humanos. O Poder Judiciário brasileiro vem investindo nesses sistemas com a mesma crença que marcou o processo de digitalização dos processos judiciais e a virtualização dos atos processuais.”

Leia a íntegra da fala do corregedor nacional de Justiça

Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/corregedor-fala-sobre-a-aplicacao-da-inteligencia-artificial-no-poder-judiciario/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=corregedor-fala-sobre-a-aplicacao-da-inteligencia-artificial-no-poder-judiciario.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …