Democratizar Justiça não é apenas franquear acesso aos tribunais, afirma corregedor

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, participou, na manhã desta quarta-feira (12/8), do Ciclo de Palestras de Direitos Fundamentais – Reflexões Jurídicas para um Mundo em Transição, promovido pelo Instituto Silvio Meira e pela PPGDF/UNAMA. No evento, realizado de forma virtual, o ministro proferiu a palestra “Democratizando o Acesso à Justiça”.

Humberto Martins iniciou sua apresentação com uma abordagem histórica do ordenamento jurídico brasileiro, destacando importantes normas elaboradas para a ampliação do acesso à Justiça e o fortalecimento da cidadania. No entanto, o ministro fez a ressalva de que democratizar a Justiça não significa apenas franquear à população o acesso aos tribunais.

Entre outros exemplos, o corregedor disse que a democratização do acesso à Justiça também deve ser feita pela transparência e pela informação; pelo aperfeiçoamento da prestação jurisdicional; pela instalação de serviços públicos nas regiões necessitadas; pela proteção das vítimas de violência doméstica e do trabalho infantil; pela gratuidade da Justiça; pelo trabalho da advocacia, da Defensoria Pública, do Ministério Público e das autoridades policiais; pela função sensível do Legislativo e pela pronta atuação do Executivo.

“Todos os Poderes e instituições governamentais e não governamentais, o mercado e a sociedade civil possuem um compromisso constante com a democratização do acesso à Justiça”, declarou o ministro corregedor.

Múltiplas ferramentas

No âmbito do Poder Judiciário, Humberto Martins enfatizou a importância da conciliação, da mediação e de outros métodos consensuais como instrumentos aptos a oferecer o acesso à Justiça ao cidadão. Citou também normativos editados pelo Conselho Nacional da Justiça (CNJ) voltados ao aperfeiçoamento dos mecanismos consensuais de solução de litígios.

“Desde 2006, o CNJ realiza, todos os anos, a Semana Nacional da Conciliação, promovendo o acesso à Justiça de centenas de milhares de cidadãos que possuem causas da competência das Justiças estadual, federal e trabalhista”, enfatizou o corregedor.

Ao concluir sua palestra, o ministro afirmou que o momento de crise sanitária, pelo qual passa o País, exige que o Poder Judiciário atualize e otimize seu trabalho e que recorra a múltiplas ferramentas para ampliar o acesso à Justiça, como a atualização da jurisprudência, a modulação dos efeitos de decisões, a sistemática dos recursos repetitivos e o Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR).

“As portas do Judiciário devem estar sempre abertas ao jurisdicionado, para prestar-lhe a jurisdição ou para informar-lhe, da melhor maneira possível, sobre seus direitos. Que, em breve, permita Deus que essas portas estejam todas abertas literal – e não apenas remotamente – aos nossos cidadãos!”, disse o corregedor nacional.

Leia a íntegra da palestra.

Corregedoria Nacional de Justiça

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/democratizar-justica-nao-e-apenas-franquear-acesso-aos-tribunais-afirma-corregedor/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=democratizar-justica-nao-e-apenas-franquear-acesso-aos-tribunais-afirma-corregedor.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …