OAB repudia sentença que associa acusado a crimes “em razão de sua cor” – OAB

O presidente da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz, manifestou
indignação em relação à sentença proferida pela juíza Inês Marchelek Zarpelon,
da 1ª Vara Criminal de Curitiba. Na argumentação contida no documento, a
magistrada faz afirmações relacionadas à cor da pele de um cidadão como
atributo negativo e que embasaria sua convicção com relação ao envolvimento
dele com grupo de atividades criminosas. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ)
determinou, nesta quarta-feira (12), que a Corregedoria Geral da Justiça do
Paraná investigue o caso.

“É inadmissível, inconcebível, o que aconteceu nesse caso.
Racismo é crime inafiançável, e o código de ética da Magistratura é claro no
seu artigo 9º, ao vedar ao magistrado qualquer espécie de injustificada
discriminação. A advogada que tornou público esse absurdo merece parabéns. A
OAB faz esta representação ao CNJ porque a conduta da magistrada precisa ser
investigada”, disse Santa Cruz.

A Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR) informou
que a corregedoria instaurou um procedimento administrativo. No trecho da
sentença que gerou revolta, a juíza diz que é o acusado “seguramente integrante
do grupo criminoso, em razão da sua raça, agia de forma extremamente discreta
os delitos e o seu comportamento, juntamente com os demais, causavam o
desassossego e a desesperança da população, pelo que deve ser valorada
negativamente (sic)”.

Ao longo do dia, a OAB atuou no sentido de buscar
esclarecimentos e soluções sobre o caso. A OAB-PR, por meio de sua Comissão da
Igualdade Racial, solicitou a abertura de procedimento administrativo no TJ-PR
para apuração dos fatos. Além disso, oficiará o Ministério Público para apurar
a prática de discriminação. O racismo é crime com punição prevista na Lei
7.716/89.

Em nota oficial, a OAB-PR classificou a manifestação da
juíza como algo que vai na contramão do princípio constitucional da igualdade e
da não discriminação. “Cor e raça não definem caráter e jamais podem ser
utilizadas para fundamentação de sentença, notadamente na dosimetria da pena. A
humanidade deve caminhar no sentido da eliminação de todos os preconceitos,
especialmente os relacionados à origem, raça e cor, pois somente assim
alcançaremos o ideal de uma sociedade livre, justa fraterna, igualitária e
solidária”, diz trecho da nota.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/58378/oab-repudia-sentenca-que-associa-acusado-a-crimes-em-razao-de-sua-cor.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

OAB ingressa com pedido de participação em julgamento em ADPF que questiona mudanças no CONANDA – OAB

A OAB Nacional requereu, na tarde desta segunda-feira (21), sua admissão como amicus curiae no …