Tribunal de Alagoas autoriza depoimentos presenciais para mais tipos de processos

O Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL) autorizou o uso da sala passiva para depoimentos presenciais de mais alguns tipos de processo, nos atos normativos conjuntos 19 e 20, da Presidência e da Corregedoria-Geral de Justiça, publicados nos Diários da Justiça de quarta-feira (12/8) e da sexta-feira passada (7/8). A partir da próxima segunda-feira (17/8), fica permitido o uso das salas passivas para audiências nos processos de violência doméstica ou familiar, e de aplicação de medidas protetivas.

A partir de 24 de agosto, nos processos criminais e de apuração de atos infracionais em que o réu ou adolescente estejam em liberdade. E do dia 8 de setembro em diante, fica autorizado para processos de família e ações cíveis reguladas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

As liberações foram discutidas em reunião do Comitê de Atores Judiciais de Alagoas na segunda-feira (10/8), com a participação do presidente do TJAL, Tutmés Airan, do corregedor-geral da Justiça Fernando Tourinho, e os representantes da OAB Alagoas, Ministério Público e Defensoria Pública. “Vamos incluir gradativamente novas temáticas até que a gente, na fase amarela, possa voltar à atividades presenciais, na proporção de 30% de trabalho presencial e 70% remoto”, explicou Airan.

Atualmente, as salas só estão sendo utilizadas para processos com réus presos ou adolescentes internados, de improbidade administrativa e crimes contra a administração. As salas passivas dos fóruns são destinadas ao comparecimento de depoentes que não possam ser ouvidos por meio virtual. Não é permitido o compartilhamento do ambiente com os demais participantes do ato processual, com exceção do advogado da pessoa a ser ouvida, cuja presença é facultativa, e de um servidor da unidade judiciária.

Desde 4 de agosto, com o início da fase laranja, as salas passivas já eram utilizadas para produção de prova oral, quando determinado pelos juízes. O Judiciário permanece funcionando por meio de plantão extraordinário, o atendimento ao público suspenso, e os servidores atuando em teletrabalho, no máximo possível.

Outras fases

Após a fase laranja, o plano de retomada das atividades presenciais, previsto na resolução nº 22/2020, tem mais duas etapas:

  • Amarela: haverá o retorno das atividades presenciais com, no máximo, 30% dos quadros das unidades judiciais e administrativas, com permissão de acesso do público externo às dependências do Judiciário apenas às pessoas com audiência ou atendimento com horário marcado. O início desta etapa levará em consideração a evolução da situação epidemiológica de Alagoas;
  • Azul: o Judiciário terá o retorno das atividades presenciais com regular atendimento do público externo. Os magistrados, servidores, estagiários e colaboradores que estão no grupo de risco poderão exercer suas atividades de forma remota, até que o controle da pandemia propicie o retorno seguro e sem reservas às atividades presenciais.

Fonte: TJAL

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/tribunal-de-alagoas-autoriza-depoimentos-presenciais-para-mais-tipos-de-processos/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=tribunal-de-alagoas-autoriza-depoimentos-presenciais-para-mais-tipos-de-processos.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …