AL: Projeto da Justiça preserva vínculos familiares em processos de guarda e visitação

Em um processo de litígio de guarda ou visitação de crianças e adolescentes nem sempre se preservam os vínculos familiares, necessário para o desenvolvimento saudável dos menores. Com o intuito de permitir o restabelecimento dessas relações numa nova fase do relacionamento, vem sendo elaborado o Projeto Guarda-me, idealizado pela juíza Carolina Valões, da 2ª Vara de Rio Largo (AL).

O projeto garante às partes que estão em litígio pela guarda ou visitação dos filhos uma tutela jurisdicional devida para a situação reivindicada, que muitas vezes não se resolve apenas no julgamento do processo, já que envolve questões além das jurídicas. Assim, busca-se solucionar o conflito familiar em atenção à complexidade que o envolve, sob um viés multidisciplinar, baseado na ressignificação e na construção da paz.

A ideia é que, ao término das etapas, as famílias encaminhadas sejam capazes de dialogar sobre os conflitos familiares que venham a surgir em suas vidas. Além da juíza Carolina Valões, o projeto conta com as colaboradoras Márcia Buarque, Renata Tenório e Moacyra Rocha, servidoras do Judiciário.

Funcionamento

O lançamento do projeto está previsto para setembro, com o início do treinamento dos servidores. Os primeiros atendimentos devem ocorrer em 2021, na Comarca de Rio Largo. Os processos serão selecionados pela unidade judicial a cada três meses, atendendo quatro turmas ao ano. Após a avaliação da magistrada, as partes serão intimadas para reunião com a equipe multidisciplinar.

No mesmo dia, a assessoria da vara explica a importância da conciliação aos litigantes. O projeto é dividido em sete etapas, sendo seis de reuniões e uma de visita da equipe. Durante os encontros, serão debatidos temas como comunicação não violenta, violência no ambiente doméstico e familiar, alienação parental e ressignificação das relações familiares.

O Guarda-me realizará ainda o acompanhamento virtual semanal, por meio do WhatsApp, para observar a reflexão das partes acerca dos temas tratados, além de encaminhar vídeos lúdicos e entregar cartilhas explicativas sobre os assuntos debatidos a cada reunião.

Após a fase de reuniões, ocorre visita técnica realizada pela equipe multidisciplinar em domicílio, por um assistente social, e na escola, por uma pedagoga. O procedimento é encerrado com a entrega de relatório, que contribuirá para a decisão definitiva do feito desde logo ou designação de nova audiência de conciliação. Ao final, ocorre um encontro em dois grupos: o dos adultos, com o fechamento do projeto com as famílias, e o das crianças, que participarão de atividades lúdicas.

Em períodos de um mês, três meses e seis meses após o julgamento do feito, a assessoria da vara entrará em contato com as partes para a coleta de informações referentes à comunicação entre os responsáveis pelas crianças ou adolescentes, a convivência dos menores com o guardião e o não guardião, aproveitamento escolar e acompanhamento dos menores por psicólogo, entre outros pontos.

Fonte: TJAL

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/al-projeto-da-justica-preserva-vinculos-familiares-em-processos-de-guarda-e-visitacao/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=al-projeto-da-justica-preserva-vinculos-familiares-em-processos-de-guarda-e-visitacao.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …