Ministro Luiz Fux debate a dignidade da pessoa humana em videoconferência com instituição judaica – STF

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, participou da videoconferência "Dignidade da vida e da morte", promovida pelo centro cultural judaico Midrash, na noite desta segunda-feira (17). A conversa com o rabino e escritor Nilton Bonder, transmitida pelas redes sociais da instituição, tratou da concepção da dignidade humana sob a ótica da Constituição brasileira e do judaísmo.

Dignidade

"A Constituição Federal é considerada uma das mais humanizadas do mundo e tem no seu preâmbulo a garantia de uma sociedade justa e solidária, fundada no princípio maior da dignidade da pessoa humana", apontou Fux. Segundo ele, o conceito de dignidade, numa visão kantiana, seria a autodeterminação de fazer as próprias escolhas, a experiência da liberdade.

O ministro questionou quais liberdades possuem aqueles que sofrem no limite existencial, como os moradores de rua, e lembrou da situação dos sobreviventes dos campos de concentração nazistas que, diante dos horrores vivenciados, não conseguiam mais expressar sentimentos humanos. Ele concordou com colocação de um internauta sobre a impossibilidade de cumprir o preceito constitucional de respeito à dignidade humana sem justiça social.

"Sempre que o Supremo é chamado a intervir, ele começa sua fundamentação à luz da dignidade da pessoa humana, tendo, inclusive, decidido sobre políticas públicas", disse Luiz Fux. Como exemplo, citou o caso em que a Corte determinou o contingenciamento de recursos para que a reestruturação de presídios. O ministro elencou ainda outras decisões do STF que garantiram direitos fundamentais, como a união homoafetiva e a determinação para que escolas se habilitem para receber crianças especiais.

Outra questão emblemática destacada pelo ministro foi o julgamento de habeas corpus para o escritor antissemita Siegfried Ellwanger, no qual foi firmado o entendimento de que a liberdade de expressão não protege o discurso do ódio. "O Supremo decidiu que qualquer manifestação racista é uma afronta à própria liberdade, repugnada no momento em que se infringe a dignidade humana", afirmou.

Fux também atentou que em breve o STF deve julgar a prática da ortotanásia, regulada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Sem emitir juízo sobre o tema, o ministro lembrou que o Brasil é signatário de todos os tratados internacionais que estabelecem o respeito à dignidade da pessoa humana desde o pós-guerra, em razão do holocausto, e que o Direito brasileiro trata a vida como inviolável. Por outro lado, diversos países já admitem a eutanásia e o suicídio assistido.

Convidado a finalizar sua participação, o ministro Luiz Fux, filho de imigrantes judeus exilados pela perseguição nazista, lembrou que sua religião estimula que muitos fundamentos de sua crença sejam ignorados para salvar uma vida e lembrou o texto do Talmude – os livros sagrados judaicos: "Quem salva uma vida salva o mundo inteiro".

Assessoria de Comunicação da Presidência

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=449768.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

AGU presta informações sobre medidas para normalizar atendimento à saúde em Manaus (AM) – STF

O advogado-geral da União, José Levi do Amaral Júnior, informou ao Supremo Tribunal Federal (STF), …