Diagnóstico vai identificar situação das crianças na primeira infância

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizou, na segunda-feira (17/8), reunião preparatória com mais de 30 instituições para apoiar a realização do Diagnóstico Nacional da Situação de Atenção às Crianças na Primeira Infância. Estudos e pesquisas científicas apontam a importância de articulação de políticas públicas para atender as crianças de zero a seis anos de idade, faixa etária considerada estruturante na formação de todas as pessoas.

O Diagnóstico é uma ação estratégica que vai buscar conhecer a realidade dos problemas vivenciados por essa população, que corresponde a aproximadamente 20 milhões de brasileiros. Com isso, podem ser criadas bases para uma atuação mais eficiente e eficaz.

As ações do diagnóstico foram apresentadas pela pesquisadora do Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ) do CNJ, Elisa Colares, e pelo técnico de pesquisas do IPEA, Alexandre Cunha. A pesquisa será coordenada pelo CNJ em parceria com o Centro Internacional de Políticas para Crescimento Inclusivo (IPC-IG) do Programa das Nações Unidas (PNUD).

Ela deverá ocorrer entre agosto de 2020 e julho de 2021 e vai contemplar os seguintes eixos: 1 – Mulheres e adolescentes grávidas e mães de crianças até 6 anos presas ou em regime de internação; 2 – Proteção da criança na dissolução da sociedade conjugal; 3 – Destituição de poder familiar, adoção e tráfico de crianças; 4 – Famílias acolhedoras e unidades de acolhimento; e 5 – Estrutura judiciária e gestão administrativa de políticas de infância e juventude.

O Diagnóstico é uma das ações do Projeto Justiça Começa na Infância, financiado pelo Fundo de Defesa dos Direitos Difusos do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O projeto integra um conjunto de ações que tem sido concretizado por meio do Pacto Nacional pela Primeira Infância, que atualmente conta com 102 signatários do poder público, do setor empresarial e da sociedade civil, com o objetivo de fortalecer as instituições públicas voltadas à garantia dos direitos previstos na legislação brasileira.

Segundo o secretário especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ, Richard Pae Kim, apenas com a colaboração de todas as instituições a ação alcançará os objetivos almejados. Gabriela Soares, diretora executiva do DPJ, destaca que será fundamental a parceria com todas as instituições participantes da reunião. Ela explica que, para captar todas as complexidades e profundidades do tema, é necessário reunir os dados e as informações já consolidados por meio de bases de dados e de pesquisas anteriormente realizadas.

A reunião contou com a participação do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais, do Colégio de Coordenadorias da Infância e Juventude dos Tribunais de Justiça do Brasil, do Fórum Nacional de Juízes Protetivos, dos ministérios da Cidadania, Educação, Economia, Família, Mulher e Direitos Humanos, Justiça e Segurança Pública e Saúde, da Controladoria Geral da União, da Fundação Palmares, da FUNAI, do INEP, do IBGE, do IPEA, da Rede Nacional Primeira Infância, da Universidade de Brasília e da Universidade Federal de Pelotas.

Ainda estiverem presentes organismos internacionais, como UNICEF e UNESCO, e importantes atores da sociedade civil organizada, como a AMSK, Fundação Abrinq, Pastoral da Criança, Promundo e Visão Mundial.

Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/diagnostico-vai-identificar-situacao-das-criancas-na-primeira-infancia/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=diagnostico-vai-identificar-situacao-das-criancas-na-primeira-infancia.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …