Debate destaca alcance de novas regras de auditoria do Judiciário

A importância e o alcance das novas regras de auditoria interna nos órgãos do Poder Judiciário para melhor uso dos recursos públicos e combate à corrupção foram temas do seminário virtual “Integração dos Controles: Novos Desafios para o Judiciário”. O webinário realizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em parceria com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nesta quinta-feira (27/8) reuniu especialistas dos dois órgãos para expor e aprofundar o teor das Resoluções CNJ n. 308 e n. 309, em evento que contou com cerca de 500 participantes na transmissão pelo canal do TCU no Youtube.

A Resolução CNJ n. 308/2020 instituiu o Sistema de Auditoria Interna do Poder Judiciário (Siaudi-Jud) e a Resolução CNJ n. 309/2020 criou a Diretriz Técnica das Atividades de Auditoria Interna Governamental do Poder Judiciário (Diraud-Jud). Os dois atos foram formulados conforme acórdãos do TCU sobre controle interno nos órgãos públicos e em convergência com as regras internacionais de auditoria.

O chefe da Seção de Atividades e Políticas da Secretaria de Auditoria do CNJ, Leonardo Câmara, que representou o Conselho no debate, comparou as atividades de auditoria interna dos tribunais a um radar capaz de indica riscos e perigos para os gestores de tribunais e conselhos do Judiciário. “As unidades de auditoria têm esse objetivo, de ir fotografando a organização para os gestores dos órgãos, e isso só tem utilidade se for um trabalho fidedigno. Não adianta o radar ser viciado e não mostrar os riscos e perigos”, disse.

Entre os principais pontos dos atos normativos editados pelo CNJ está a mudança de status das atividades de auditoria interna nos órgãos do Poder Judiciário e alterações para assegurar a independência dessas atividades. As atividades de auditoria interna dos tribunais e conselhos passaram a ser representadas por diretorias ou secretaria em novo status que as aproxima do núcleo de governança dos órgãos. Considerando esse novo status é indicado que o auditor responsável pelas unidades de auditoria interna seja profissional com excelência técnica e teórica e com experiência, sendo, de preferência, um auditor em nível sênior.

Outro ponto citado no debate é que o mandato do auditor das unidades de auditoria interna dos órgãos do Judiciário passa a ser assíncrono ao mandato dos Presidentes dos Tribunais e Conselhos. A finalidade é assegurar que não só as ações da auditoria sejam independentes como também haja visibilidade sobre essa independência. “Criamos a necessidade de que o rompimento do mandato do dirigente da unidade de auditoria interna precisa da chancela de um órgão colegiado de governança. A ideia é trazer instrumentos que garantam que essa atividade de auditoria seja independente”, reiterou Leonardo Câmara.

Padronização

Também a criação do Comitê Permanente de Auditoria foi apontada como inovadora pelo potencial que tem de padronizar os instrumentos de auditoria e de gestão. A Resolução CNJ n. 309/200 estabeleceu um conjunto de diretrizes que passam a ser observadas no estatuto de auditoria de cada tribunal e de forma que cada um desses órgãos possa adequar suas especificidades. Nesse ato, destacam-se, também, o Código de Ética e a ampliação do escopo das atividades das unidades de auditoria, que além de avaliações, podem fazer também consultoria.

Para o chefe da Seção de Atividades e Políticas da Secretaria de Auditoria do CNJ, os dois atos normativos criam as condições para as unidades de auditoria agregarem valor aos órgãos do Judiciário. “É hora de aproveitar o momento dessas resoluções para evoluirmos como unidade de auditoria 2.0, que realmente agregue valor a organização e traga recomendações importantes, cruciais e atinjam diretamente o objetivo estratégico da organização”, disse ele, sugerindo aos profissionais dessas áreas que atuem com o cruzamento de dados e com pesquisa profunda. Leonardo Câmara enfatizou que, em contexto marcado por restrição fiscal, as atividades das auditorias internas vão contribuir para otimizar recursos públicos escassos e combater eventuais atos de corrupção.

Maior controle no gasto público

O webinário “Integração dos Controles Novos Desafios para o Judiciário” foi o primeiro da série de debates do “Ciclo Integração de Controles”. A discussão virtual foi coordenada pelo secretário federal interno Antônio Leonel, que também é o presidente do Conselho de Dirigentes de Órgãos de Controle Interno da União. Ao fazer a mediação das discussões, Antônio Leonel falou sobre o atual contexto de restrição de gasto público, indicando que esse quadro tende a se agravar em função da pandemia da Covid-19.

Para ele, no contexto de agravamento de ajuste fiscal, as atividades de controle interno dos órgãos públicos, e do Judiciário em particular, ganharão relevância pelas possibilidades que têm de apresentar soluções para a gestão de recursos públicos escassos. “Esse tema é de fundamental importância: há uma mudança de paradigma e uma nova orientação adequada a uma realidade de crise fiscal severíssima. A auditoria interna e o controle interno são fundamentais para a melhora da gestão e, para isso, têm que estar melhor organizados para terem melhor aproveitamento”, afirmou.

Também presente ao debate virtual, o secretário substituto de Controle Interno do TCU, Paulo Vinícius Menezes, considerou positivo o fato de o CNJ ter elaborado as duas resoluções já considerado acórdãos do TCU sobre o tema. Ele comentou que os gestores que assumirem os órgãos judiciais passarão a estar mais atento aos trabalhos produzidos pelas unidades de auditoria interna, sejam relatórios, achados, avaliações e consultorias. A partir disso, esses gestores terão mais instrumentos para uma melhor avaliação de riscos sobre o que se quer fazer à frente do órgão e o que está em curso.

Paulo Vinícius também apontou como favorável o fato de as Resoluções CNJ n. 308 e n. 309 terem sido elaboradas as partir de padrões internacionais de auditoria. “Há uma convergência com as normas internacionais e isso, na prática, vai aperfeiçoar o Judiciário e veremos reflexos disso no [Relatório] Justiça em Números dos próximos anos, será um avanço grande”, disse. O Relatório Justiça em Números é o anuário do Judiciário brasileiro e que vem sendo elaborado há 15 anos pelo CNJ.

Veja o debate abaixo:

Luciana Otoni
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/debate-destaca-alcance-de-novas-regras-de-auditoria-do-judiciario/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=debate-destaca-alcance-de-novas-regras-de-auditoria-do-judiciario.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …