Tribunal de Santa Catarina concorre ao Prêmio Innovare com o programa Lar Legal

O programa Lar Legal, idealizado e executado pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), é um dos selecionados da edição deste ano do Prêmio Innovare. Com 21 anos de existência, o Lar Legal já beneficiou 20 mil famílias no estado e foi replicado pelos Tribunais de Justiça do Paraná, Piauí e Mato Grosso do Sul.

O Prêmio Innovare identifica, divulga e difunde práticas que contribuem para o aprimoramento da Justiça no Brasil. Ao todo, 646 práticas foram deferidas para participar desta 17ª edição, que tem como tema de destaque a “Defesa da Liberdade”. O prêmio é concedido nas seguintes categorias: Tribunal, Juiz, Ministério Público, Defensoria Pública, Advocacia, Justiça e Cidadania e, pela primeira vez, há também a categoria CNJ/Gestão. Os vencedores serão conhecidos em dezembro.

Participam da comissão julgadora ministros do STF e STJ, desembargadores, juízes, promotores, defensores, advogados e outros profissionais de destaque. Seu Conselho Superior é composto de associações representativas de grande prestígio no mundo jurídico, entre elas a Associação de Magistrados Brasileiros, Associação dos Juízes Federais do Brasil, Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e Ministério da Justiça e Segurança Pública. Cada estado tem seus avaliadores externos – em Santa Catarina, são os advogados Marcelo Gasparino e Bárbara Vivi Wolff.

Desde 2004, já passaram pela comissão julgadora do Innovare mais de cinco mil práticas de todo o país. “Elas são a prova de que a nossa Justiça passa por uma revolução silenciosa”, segundo o professor Joaquim Falcão, um dos fundadores do Prêmio. De acordo com o site do Instituto Innovare, um dos vários critérios de avaliação “é a conjugação de rapidez, qualidade e efetividade na solução dos conflitos”, que é quase a tradução do Programa Lar Legal.

Legalização

O Programa Lar Legal tem como propósito legalizar títulos de propriedade para residentes em loteamentos clandestinos ou em comunidades empobrecidas. Com isso, essas pessoas passam a ser proprietárias formais do imóvel e, entre outros benefícios, podem fazer um financiamento, investir na propriedade ou até mesmo negociar o bem que antes não tinha registro. Aos municípios possibilita a implementação de melhorias em locais agora regularizados, com obras de saneamento básico, iluminação pública e cobrança do IPTU.

Em Santa Catarina, sob a coordenação do desembargador Selso de Oliveira, três juízes estão à frente dos processos vinculados à regularização de lotes em áreas urbanas pelo Lar Legal: Liana Bardini Alves, Iolanda Volkmann e Fernando Seara Hickel. Em 2019, eles foram responsáveis por 1.676 despachos, 100 decisões e 238 sentenças – isso apenas no programa Lar Legal, que conta com a parceria da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) e do Ministério Público.

“A questão fundiária”, afirma o desembargador Selso, “é um desafio nacional e é por isso que o exemplo de Santa Catarina, tão bem-sucedido, está sendo seguido por outros Estados e agora concorre a um prêmio de grande relevância nacional”. Segundo ele, o Lar Legal é um instrumento jurídico eficaz para combater um gravíssimo problema social.

Fonte: TJSC

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/tribunal-de-santa-catarina-concorre-ao-premio-innovare-com-o-programa-lar-legal/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=tribunal-de-santa-catarina-concorre-ao-premio-innovare-com-o-programa-lar-legal.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …