MG: Defensoria divulga levantamento sobre reversão de penas nas instâncias superiores

Estudo inédito feito pela Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG) revela que a atuação das defensoras e defensores públicos da Instituição em Tribunais Superiores é capaz de reparar lacunas ao longo de processos e restabelecer a justiça em favor de pessoas das camadas mais humildes da população mineira.

O documento, intitulado “A Defensoria Pública de Minas Gerais e o Supremo Tribunal Federal – Um estudo sobre os habeas corpus e recursos ordinários em habeas corpus apresentados pela Defensoria Pública de Minas Gerais ao Supremo Tribunal desde a inauguração do escritório de representação em Brasília/DF, em agosto de 2017”, traz em suas 51 páginas um diagnóstico da atuação da DPMG na Corte Suprema do país.

O estudo, assinado pelos defensores públicos Flavio AurelioWandeck Filho e Adriana Patricia Campos Pereira, em atuação na Defensoria Especializada em Segunda Instância e Instâncias Superiores/Criminal, foi apresentado nesta sexta-feira (28/8) na série “Diálogos com as Desits”, evento virtual com a participação de defensoras e defensores públicos de Minas Gerais, promovido pela Escola Superior da Defensoria Pública de Minas Gerais.

Segundo o levantamento, dos habeas corpus impetrados em favor dos assistidos 28% foram concedidos pelo Supremo Tribunal Federal entre agosto de 2017 e junho de 2020. Neste período de três anos, a DPMG ingressou com 254 pedidos de habeas corpus. Deste, 211 foram julgados e resultaram em 58 ordens concedidas em benefício dos assistidos, em sua imensa maioria pessoas em situação de vulnerabilidade ou hipervulnerabilidade.

“Mais de um a cada quatro HCs impetrados foram concedidos no todo ou em parte. É um número bastante alto se considerarmos que, antes de atingir o STF, três instâncias judiciais anteriores já julgaram aquela questão”, diz o relatório final. “Não fosse essa atuação, estas pessoas ficariam alijadas de seus direitos fundamentais por não terem acesso à Corte Suprema do país”, conclui o texto.

O aproveitamento positivo foi ainda maior se analisado separadamente o primeiro semestre de 2019. O índice de ordens concedidas no todo ou em parte em habeas corpus e recursos ordinários em habeas corpus da DPMG alcançou 37% dos processos julgados no período, o que significa um a cada três concedidos no todo ou em parte. Os números reforçam o papel essencial da Defensoria Pública enquanto promotora dos direitos humanos.

Princípio da insignificância

Outro ponto que chama a atenção no estudo é a grande quantidade de habeas corpus concedidos envolvendo a aplicação do princípio da insignificância, que determina a não punição de crimes insignificantes, tais como furtos de gêneros alimentícios, produtos de limpeza ou outras mercadorias de menor valor, em sua maioria restituídas à vítima.

Dos 58 habeas corpus obtidos em atuação da DPMG junto ao STF no período, 30 tiveram como fundamento o princípio da insignificância penal, quase a sua totalidade relacionada a crimes patrimoniais, como furto e apropriação indébita.

O levantamento aponta também como relevante o número de decisões envolvendo absolvição, extinção da punibilidade, imposição de regime aberto e/ou substituição de pena privada de liberdade por pena restritiva de direitos. Segundo os dados da DPMG, 81% das ordens concedidas de HCs e recursos ordinários se enquadram nestas condições.

“Isso contribui para a derrocada do mito de que o cumprimento de pena após condenação em segunda instância seria medida de justiça, já que os Tribunais Superiores pouco modificariam as decisões das instâncias inferiores”, diz o estudo. “Falta ainda ao país um verdadeiro sistema de precedentes, onde a jurisprudência dos Tribunais Superiores possa ser efetivamente cumprida pelos tribunais hierarquicamente inferiores”, completa o texto.

Veja aqui o Relatório na íntegra

Diálogos

No encontro virtual desta sexta (28/8), defensoras e defensores públicos conversaram sobre o tema “‘HC – Observações necessárias a ampliar as possibilidades de concessão”. O debate contemplou experiências e reflexões sobre a atuação na área Criminal na primeira e segunda instâncias e nos Tribunais Superiores, com a apresentação dos defensores públicos Roberta de Mesquita Ribeiro, Flávio Rodrigues Lelles, Andréa Abritta e Flávio Wandeck.

Flávio Wandeck apresentou o relatório, que marca os três anos da instalação do Núcleo de Atuação da DPMG junto aos Tribunais Superiores em Brasília, fazendo uma análise dos números compilados, da atuação institucional na área e como têm sido o entendimento dos Tribunais Superiores. Alinhamento e uniformização de uma atuação estratégica para melhores resultados em favor dos assistidos da DPMG são objetivos dos encontros realizados semanalmente.

Fonte: DPMG

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/mg-defensoria-divulga-levantamento-sobre-reversao-de-penas-nas-instancias-superiores/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=mg-defensoria-divulga-levantamento-sobre-reversao-de-penas-nas-instancias-superiores.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …