Programa de formação cria bases para fortalecer automação do Judiciário

A automação e a inteligência artificial são hoje tecnologias essenciais para a Justiça. “A inteligência artificial no Judiciário veio para ficar. Ela permitirá um aumento significativo na produtividade e na qualidade do trabalho como ferramenta de automação e apoio à decisão”, explica o juiz auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Bráulio Gusmão.

Para apoiar os tribunais de todo o país a ampliarem ainda mais a automação, em abril de 2020, em meio à pandemia do novo coronavírus, o CNJ lançou o Programa de Formação para Automação Avançada no Processo Judicial Eletrônico (PJe). O Programa já reuniu quase 2 mil pessoas – entre magistrados, servidores e colaboradores das áreas de tecnologia – em 14 módulos, todos à distância. Nesta sexta-feira (28/8), será realizado o último módulo desse primeiro ciclo da capacitação.

“Houve uma adesão maciça dos tribunais. O número de participantes sempre foi superior a 100 pessoas. Em alguns eventos, chegamos a ter até mais de 200 pessoas acompanhando. Considerando que o webinar é ao vivo e toda semana, realmente há um interesse muito grande dos tribunais”, afirma Gusmão.

O CNJ vem desenvolvendo diversas aplicações para dar maior celeridade aos serviços da Justiça. O mais recente foi o lançamento do Resolve Execução Fiscal. Dados do Justiça em Números 2020 mostram que os processos de execução fiscal representam 70% das execuções pendentes no Poder Judiciário, com tempo de giro do acervo de 6 anos e 7 meses. E, ao usar a automação e a inteligência artificial, a triagem dos processos, por exemplo, passará de um ano para ser realizada para ser feita em dias pelos robôs do sistema.

Segundo Gusmão, esse é um movimento contínuo. “Os tribunais estão buscando novas formas de automação. Eles já começaram a utilizar diversas soluções que o CNJ oportunizou. E isso está ocorrendo de forma incremental, aproveitando o conteúdo de cada webinar para poder evoluir seu trabalho. E, como o volume de informações foi muito grande, os tribunais estão se preparando e planejando.”

A conclusão desse ciclo do Programa de Formação fortalece as bases para que o tema siga evoluindo dentro do Judiciário. “O terreno está preparado. Essa gestão foi de organização, de fundação dos elementos necessários. E o próximo ciclo será de expansão, para avançar muito no tema e aprimorar ainda mais a Justiça”, explica o juiz auxiliar da Presidência do CNJ, Bráulio Gusmão.

Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/programa-de-formacao-cria-bases-para-fortalecer-automacao-do-judiciario/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=programa-de-formacao-cria-bases-para-fortalecer-automacao-do-judiciario.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Projeto no Espírito Santo ouve necessidades e esclarece direitos de pessoas presas

Durante o período de distanciamento social, a Vara de Execuções Penais de Vila Velha (ES) …