Contaminação pela Covid-19 pode ser considerada acidente de trabalho?

A busca de respostas ao questionamento acima marcou as discussões no encerramento do webinário Saúde e Segurança no Trabalho em Tempos de Pandemia, na última quarta-feira (26/8). O tema Caracterização de acidente de trabalho na pandemia – MP 927 e decisão do STF foi debatido pelos os juízes Xerxes Gusmão, do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (TRT17), e Guilherme Guimarães Feliciano, do TRT da 15ª Região, com mediação da juíza do TRT17 e gestora regional do Programa Trabalho Seguro, Germana de Morelo.

Logo ao início de sua palestra, o juiz titular da 1ª Vara do Trabalho de Taubaté (SP), Guilherme Feliciano, levantou o seguinte questionamento: “a Covid-19 pode ou não ser equiparada a acidente de trabalho?” Em sua abordagem, o magistrado decidiu tratar o tema a partir da perspectiva ambiental, segundo a qual a motivação do caso não pode ser atribuída a um fator apenas, mas, sim, a uma série de aspectos.

“O fenômeno é único, ele precisa ser compreendido na sua unidade. Qualquer inflexão em um elemento ambiental, interfere como um todo. Eu não posso pensar no meu problema a partir de uma perspectiva linear, é tendencialmente um fenômeno multifatorial”, afirmou o magistrado. Ele citou como exemplo o caso de um acidente de trabalho em que a culpa é atribuída única e exclusivamente ao trabalhador, que se feriu pois estava sem luva de proteção. Mecanicamente é correta a afirmação, mas é fundamental a observação de outros elementos: havia uma luva à disposição?  O trabalhador estava devidamente informado sobre os riscos? Havia diálogos de segurança entre o empregador e o empregado? A serra tinha trava de segurança? Ele estava em condições normais ou em uma situação de estresse agudo que o levou a ser desatento?

Em um cenário ideal, o magistrado sugere que “é um dever do empregador, percebendo que o vírus está em circulação, interromper suas atividades, manter os trabalhadores em licença remunerada; fazer a higienização do ambiente, identificar os que estão contaminados e depois voltar às atividades com aqueles que não estão contaminados”. E ainda reitera que a infecção pela Covid-19 no trabalho é um problema ambiental, visto que aquele local está desequilibrado pela introdução de um agente contaminante que não deveria estar ali.

Medida Provisória

Ao citarem a Medida Provisória 927/2020, os dois palestrantes foram categóricos ao dizer que a medida “caducou”. Para eles, a dispensa dos exames médicos periódicos é uma violação ao princípio da melhoria contínua (inciso XXII do artigo 7º). “Tem, em primeira perspectiva, a preocupação com o próprio trabalhador que está sendo examinado, mas também há uma preocupação de saúde pública. Inclusive em doenças infectocontagiosas, que podem ser percebidas pelo médico do trabalho a partir dos sintomas apresentados. Os empregadores deveriam intensificar os protocolos de admissão do seu trabalhador”, defendeu o juiz do TRT15.

Ao citar o artigo 29 da MP 927, que atribui o ônus da prova ao trabalhador, o juiz do TRT17 Xerxes Gusmão questionou: “como você vai provar que é no trabalho que houve essa contaminação? Se atribui ao trabalhador uma prova que a doutrina chama de diabólica, uma prova quase impossível”. Xerxes Gusmão também refutou o artigo 20º da Lei 8.213/91 – utilizado por alguns para tirar a responsabilidade da empresa, que não considera a doença endêmica como doença do trabalho – por meio dos fundamentos constitucionais, como o artigo 6º da Constituição Federal, que traz a saúde como Direito Social, e o inciso XXII do artigo 7º, que diz “direito dos trabalhadores à redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança”.

O magistrado capixaba ainda trouxe à luz a nota técnica do Ministério Público do Trabalho (MPT), utilizando uma categorização da organização Occupational Safety and Health Administration (Osha/EUA), que classifica a responsabilidade do empregador em casos de doenças ocupacionais: risco muito alto de exposição (aqueles com alta possibilidade de contaminação, por exemplo, médicos e enfermeiros); risco alto (profissionais que entram em contato com casos confirmados ou suspeitos); risco mediano (que têm contato com pessoas que podem estar infectadas, mas não tem confirmação), e risco baixo (não têm contato com o público nem com pessoas infectadas). De acordo com o juiz, a presunção de nexo causal pode ser considerada no primeiro e segundo caso.

Encerramento

Ao fim, a juíza e mediadora Germana de Morelo compartilhou algumas mensagens de alguns espectadores, como a da desembargadora e presidente do TRT17, Ana Paula Tauceda Branco. “É com grande satisfação que registro minha participação neste evento cuja temática é de máxima importância: o compromisso que temos pela responsabilidade da vida humana digna dos cidadãos que vêm à Justiça do Trabalho. bem como de nossos servidores e magistrados”, expressou a presidente.

O procurador chefe do MPT-ES, Valério Heringer, também marcou presença e fez questão de parabenizar a iniciativa do webinário e agradecer a participação de todos. “Em nome do MPT-ES, expressamos nosso reconhecimento pelo extraordinário nível desse seminário digital. Palestras de altíssimo nível, mediadores super. Nosso agradecimento especial a todo o público que nos acompanhou ao longo desses dias.”

O evento Saúde e Segurança no Trabalho em Tempos de Pandemia foi uma realização do TRT-ES, do Programa Nacional Trabalho Seguro e da Escola Judicial da 17ª Região (Ejud 17) em parceria com o governo do Espírito Santo, Ministério da Economia, Ministério Público do Trabalho, Polícia Rodoviária Federal, Fundacentro e Associação dos Magistrados do Trabalho da 17ª Região (Amatra 17).

Fonte: TRT17

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/contaminacao-pela-covid-19-pode-ser-considerada-acidente-de-trabalho/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=contaminacao-pela-covid-19-pode-ser-considerada-acidente-de-trabalho.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …