Em expansão, Escritório Social é inaugurado na Paraíba

O Conselho Nacional de Justiça participou da inauguração do Escritório Social de João Pessoa, capital da Paraíba. Em cerimônia realizada na sexta-feira (28/8), representantes do CNJ, do Tribunal de Justiça e do governo estadual lançaram o equipamento, destinado a pessoas egressas do sistema prisional e a seus familiares para acesso à rede de serviços de apoio em áreas como qualificação profissional, moradia, documentação e saúde.

Criado pelo CNJ em 2016, o Escritório Social resulta de gestão compartilhada entre o Poder Judiciário e o Executivo. A expansão e otimização da metodologia do Escritório Social, que até setembro será lançado em 14 estados, faz parte do programa Justiça Presente, parceria do CNJ e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública na figura do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Leia mais: Escritório Social chega a 14 estados fortalecendo política de atenção à pessoa egressa

A solenidade de inauguração do equipamento, localizado no centro da cidade, contou com as presenças do presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), desembargador Mário Murilo da Cunha Ramos; do secretário-geral do CNJ, desembargador Carlos Vieira von Adamek; do governador do estado, João Azevedo; e do juiz coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF/CNJ), Luís Geraldo Lanfredi, além de outras autoridades.

Ao falar sobre o Escritório Social, o presidente do TJPB destacou a importância do olhar social das instituições que compõem o sistema de justiça. “As chamadas varas sociais são unidades judiciárias que ensejam a necessidade de termos um Judiciário proativo, que traga resultados práticos. O Escritório Social é justamente isso, uma união de várias instituições, com trabalho conjunto, visando alcançar a ressocialização dos egressos.”

“Quando o Escritório Social funciona dentro das expectativas, diminuem os índices de reincidência criminal, como se pode constatar em outros estados que já contam com a iniciativa. A partir de agora, em um único local, estarão disponíveis vários serviços sociais voltados às pessoas que saem dos presídios e penitenciárias da Paraíba, a exemplo de cursos profissionalizantes e de documentação civil – indispensável para o exercício pleno da cidadania”, afirmou o secretário-geral do CNJ, Carlos Vieira von Adamek.

Para o governador João Azevedo, o Escritório Social pode contribuir para romper ciclos de reincidência penal. “Sem dúvida, o que estamos vivenciando nesta manhã é um fato histórico. São pessoas e instituições imbuídas em um único objetivo: possibilitar aos que deixam as celas uma oportunidade de recomeçar.”

O coordenador do DMF/CNJ, juiz Luís Geraldo Lanfredi, elogiou o compromisso dos representantes da Paraíba e destacou que o estado foi um primeiros nas tratativas para a instalação do equipamento. “O Escritório Social consolida uma ação de extrema importância para o CNJ, que é a Política Nacional para o Egresso. Ao final deste ano, serão 20 Escritórios Sociais operando como referência para os que deixam o ambiente do cárcere e também como um ponto de apoio a seus familiares.”

O coordenador do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Medidas Socioeducativas da Paraíba (GMF), desembargador do TJPB Joás de Brito Pereira Filho, avaliou positivamente o equipamento social e seus diversos serviços. “É um marco para o sistema prisional do estado. É necessário que o egresso seja inserido na sociedade inclusive para inibir a reincidência, que não é boa para ninguém.”

Mais ações

Também na sexta-feira, CNJ, TJPB e governo estadual assinaram termos de compromisso com o Instituto Humanitas360 para promover ações de cidadania e de inserção produtiva voltadas a pessoas presas e egressas do sistema. A Paraíba será o segundo estado no país a receber as atividades que decorrem da parceria entre o Conselho Nacional de Justiça e a H360. A primeira ação é voltada à consolidação de uma cooperativa para mulheres privadas de liberdade – com foco na produção de peças artesanais e cujo lucro da venda será revertido às cooperadas.

A cooperativa beneficiará reeducandas da Unidade Prisional Feminina da Comarca de Patos, localizada no sertão da Paraíba e distante 316 km de João Pessoa. Antes de iniciar as atividades, o Instituto H360 fará um estudo para identificar as potencialidades de produtividade local, a exemplo de artesanato.

Leia mais: MA: CNJ e Humanitas360 expandem modelo de cooperativa para presas

A segunda iniciativa é o projeto Lab360, que consistirá na instalação de unidades informacionais em todas as unidades prisionais do estado. Inicialmente, os equipamentos serão usados pelas pessoas privadas de liberdade para facilitar a realização de visitas sociais virtuais. Em um segundo momento, os computadores servirão como recurso para aulas on-line e laboratório de informática.

A presidente do Instituto Humanitas360, Patrícia Villela, idealizadora dessas atividades, participou da assinatura dos termos de cooperação por videoconferência. Ela explicou que, para cumprir sua missão, a H360 desenvolve projetos e facilita coalizões de organizações sociais, profissionais e gestores públicos, com foco na diminuição da violência, na promoção da cidadania e no aumento da transparência.

Agência CNJ de Notícias
com informações da assessoria de imprensa do TJPB

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/em-expansao-escritorio-social-e-inaugurado-na-paraiba/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=em-expansao-escritorio-social-e-inaugurado-na-paraiba.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …