Mutirão de conciliação do auxílio emergencial segue até 4/9 na Justiça Federal da 2ª Região

O Núcleo Permanente de Solução de Conflitos (NPSC2) do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) prorrogou até sexta-feira (4/9) o mutirão de conciliação que realiza entre a União e trabalhadores do Rio de Janeiro e do Espírito Santo que tiveram o auxílio emergencial negado administrativamente. A prorrogação foi determinada pela Portaria PNC nº 6, de 21 de agosto, e não vale para as reclamações registradas no portal do NPSC2 referentes a pedidos de auxílio negados pelos seguintes motivos:

  • Familiar pertencente ao cadastro único já possui auxílio emergencial;
  • Requerente está no cadastro único, porém não atendeu a todas as condições para receber o auxílio emergencial;
  • Cidadão pertence a família em que dois membros já recebem o auxílio emergencial;
  • Requerente ou membro da família com auxílio emergencial pelo cadastro único e não pertencente ao bolsa família;
  • Cidadão ou membros da família já receberam o auxílio emergencial;
  • Cidadão ou membro familiar recebe bolsa família ou está em família já contemplada com auxílio emergencial.

A extensão do mutirão abrange somente as reclamações pré-processuais e não vale para quem tem ações ajuizadas nas varas ou juizados especiais federais dos dois estados, independentemente do motivo do indeferimento administrativo. As regras e procedimentos do mutirão de conciliação foram definidos na Portaria PNC nº 4, de 14 de julho, que fixou o término do esforço concentrado em 7 de agosto. Esse prazo foi prorrogado para 21 de agosto pela Portaria PNC nº 5, do dia 4 do mesmo mês, também apenas para as reclamações pré-processuais.

Para realizar o mutirão, o NPSC2 conta com o apoio dos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania fluminense e capixaba (Cesol e Cescon). Além disso, o órgão firmou parceria com a Advocacia Geral da União (AGU), para a qual seguirá enviando as reclamações pré-processuais, que são os pedidos dos cidadãos que não desejam entrar com uma ação judicial.

Ao receber uma reclamação encaminhada pelo NPSC2, a AGU tem dez dias para reconhecer o direito ou propor um acordo. Não havendo reconhecimento do pedido ou proposta de conciliação, deve contestar no prazo de trinta dias. Concretizando-se a conciliação, o benefício é implementado com urgência, ficando dispensada a expedição de ofícios ou de requisições de pagamento.

Para registrar uma reclamação pré-processual, o interessado precisa preencher o formulário eletrônico “Quero Conciliar Auxílio Emergencial”, disponível no site do TRF2, no link https://www10.trf2.jus.br/conciliacao/auxilio-emergencial/. Também nesse link o solicitante pode conferir a documentação específica para cada tipo de indeferimento administrativo, que deve ser anexada como arquivo digital, na sequência do preenchimento do formulário.

Previsto na Lei nº 13.982/2020, o auxílio emergencial é uma ajuda temporária de R$ 600 destinada a trabalhadores informais, autônomos, desempregados e a microempreendedores individuais, grupo financeiramente mais afetado por conta da pandemia da Covid-19.

O NPSC2 elaborou, em parceria com o Centro Local de Inteligência e Prevenção de Demandas Repetitivas (CLIP), com a Coordenadoria dos Juizados Especiais Federais da 2ª Região (COJEF), com o Centro de Atendimento Itinerante da Justiça Federal (CAIJF/TRF2) e com a Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do TRF2 (COCDH), com orientações para as pessoas que pediram e tiveram negado administrativamente o auxílio emergencial.

Confira aqui o vídeo

A apresentação explica como formular o pedido de conciliação com a União  por meio do formulário eletrônico  e qual a documentação a ser juntada na solicitação.

Leia as Portarias PNC nº4/2020nº 5/2020 e nº 6/2020.

Fonte: TRF2

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/mutirao-de-conciliacao-do-auxilio-emergencial-segue-ate-4-9-na-justica-federal-da-2a-regiao/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=mutirao-de-conciliacao-do-auxilio-emergencial-segue-ate-4-9-na-justica-federal-da-2a-regiao.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Acordo inédito sobre transporte de Porto Alegre (RS) é firmado no CEJUSC-Empresarial

A prefeitura e os consórcios privados – Via Leste, MOB, Mais e Viva Sul – …