CNJ e poderes locais lançam Escritórios Sociais e Lab360 no RN

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou nesta sexta-feira (4/9) o projeto para inauguração de sete unidades do Escritório Social no Rio Grande do Norte. A parceria com o Tribunal de Justiça potiguar, governo estadual e prefeituras dos municípios propiciará às pessoas egressas do sistema carcerário e seus familiares acesso à estrutura fomentada pelo CNJ desde 2016 para acesso a qualificação profissional, moradia, documentação e saúde. A ferramenta se alinha à Resolução CNJ n. 307/2019, que estabeleceu uma política judiciária nacional sobre o tema.

O Rio Grande do Norte é o 14º estado a aderir ao projeto dos Escritórios Sociais, que estarão presentes nos municípios de Natal, Caicó, Mossoró, Pau dos Ferros, Nísia Floresta, Parnamirim e Ceará-Mirim. A iniciativa conta com apoio técnico do programa Justiça Presente, parceria entre o CNJ e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública na figura do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Leia mais: Escritório Social chega a 14 estados fortalecendo política de atenção à pessoa egressa

 Ao abrir o evento, o ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal de Federal e do Conselho Nacional de Justiça, destacou que o Escritório Social é um modelo inovador de serviço público com a parceria entre os Poderes Judiciário e Executivo e o envolvimento da sociedade civil para garantir o direito à inclusão nas políticas públicas e o atendimento qualificado dos egressos prisionais e seus familiares. O ministro participou por videoconferência da cerimônia presencial que seguiu os protocolos locais de prevenção à Covid-19.

“O Escritório Social se caracteriza como um equipamento de gestão compartilhada, exigindo a criação de redes de atendimento e de acolhimento que permitam às pessoas [egressas] construírem novas trajetórias, com base em suas expectativas, demandas e potencialidades”, disse Toffoli. O presidente do CNJ lembrou que a criação de oportunidades de trabalho e de educação dentro das unidades prisionais é direito do preso e dever do Estado. “Contudo, prestar auxílio no momento em que deixam o cárcere é, para além disso, uma obrigação e uma urgência”, afirmou.

Dias Toffoli também destacou a atuação do programa Justiça Presente para enfrentar os graves problemas estruturais dos sistemas prisional e socioeducativo brasileiros, classificando-o como “um dos programas mais ambiciosos já lançados no oferecimento de alternativas possíveis a um contexto tão adverso e caracterizado por um estado inconstitucional de coisas”, destacando o caráter interinstitucional e o alcance nacional da iniciativa.

De acordo com o presidente do CNJ, o Justiça Presente trouxe um conjunto de ações de modernização do sistema prisional e socioeducativo, criando uma rede nacional de Escritórios Sociais, proporcionando a qualificação das audiências de custódia e a expansão das centrais integradas de alternativas penais, além da atuação no aprimoramento do Cadastro Nacional do Adolescente em Conflito com a Lei e na nacionalização do Sistema Eletrônico de Execução Unificado (SEEU).

O secretário-geral do CNJ, desembargador Carlos Vieira von Adamek, prestigiou a cerimônia e destacou a grandeza do projeto levado ao Rio Grande do Norte. “Este é um investimento em toda a sociedade, essas pessoas que um dia agiram errado, precisam voltar ao convívio social e nossa obrigação é trabalhar para que, ao saírem do cárcere, se reintegrem e interrompam esse ciclo de reincidência”, disse. O juiz coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF/CNJ), Luís Geraldo Lanfredi, também participou do evento.

Na ocasião, o presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, desembargador João Rebouças, agradeceu o apoio do CNJ. “O Escritório Social irá atender uma população esquecida. Trabalhar pela ressocialização dos egressos não é dever só do Judiciário, mas de todos os poderes, além da sociedade, em seus órgãos públicos e privados”.

O vice-governador do estado, Antenor Roberto, parabenizou o CNJ pelo programa nacional, assim como os parceiros locais pelo empenho na instalação dos Escritórios Sociais. Segundo ele, a política pública para o egresso será mais eficiente se dentro das unidades prisionais já existirem políticas de ressocialização. Também discursaram na cerimônia a desembargadora Maria Zeneide Bezerra, coordenadora do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário potiguar, e o secretário de governo da Prefeitura de Natal Fernando Fernandes.

No Rio Grande do Norte, os Escritórios Sociais serão implantados em um modelo tripartite, envolvendo a adesão dos municípios e a divisão de responsabilidades – permitindo estruturar uma política municipal intersetorial e de caráter federativo, que permitirá qualificar as políticas penais em todo o estado.

Mais ações

Nesta sexta-feira (4) foi também assinado acordo de cooperação entre o CNJ, o TJRN, o Governo do Estado e a organização social Instituto Humanitas360 para a instalação de uma cooperativa de trabalho para mulheres em privação de liberdade na Penitenciária Estadual do Seridó, localizada em Caicó; e para a implantação do projeto Lab360, de instalação de laboratórios de informática em todas as unidades prisionais do Rio Grande do Norte.

Em sua fala, a presidente do Instituto Humanitas360, Patricia Villela Marino, destacou que “os problemas brasileiros precisam ser encarados pelos homens e mulheres brasileiros de agenda pública”. Para ela, parcerias como essas podem ser definidas como atos orquestrados de democracia. “Precisamos nos tornar um país que atenta para essa parcela da população e suas famílias, cujas necessidades estavam invisíveis”, disse.

Agência CNJ de Notícias, com informações da assessoria de comunicação do TJRN

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/cnj-e-poderes-locais-lancam-escritorios-sociais-e-lab360-no-rn/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=cnj-e-poderes-locais-lancam-escritorios-sociais-e-lab360-no-rn.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Aprovada resolução que cria Plataforma Digital do Poder Judiciário

Os órgãos do Poder Judiciário brasileiro terão à disposição a Plataforma Digital do Poder Judiciário …