Dias Toffoli faz balanço de gestão eficiente para tribunais e sociedade

Prestes a concluir o mandato como presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Dias Toffoli defendeu a eficiência de sua gestão em balanço feito à imprensa na manhã da sexta-feira (4/9), durante entrevista coletiva realizada por videoconferência. O ministro citou resultados de ações novas e de iniciativas de gestões anteriores que foram retomadas durante sua presidência, iniciada em setembro de 2018. Sob seu comando, de acordo com o ministro, o CNJ impulsionou mudanças benéficas tanto para a gestão judiciária quanto para a sociedade brasileira.

“Nós reverberamos a independência e a unidade do Poder Judiciário. Dando sequência a projetos de outras gestões e iniciando novos projetos, buscamos fortalecer e modernizar a justiça brasileira para prestar um melhor serviço ao cidadão. Investimos em ferramentas de automação e inteligência artificial, com o objetivo de conferir maior eficiência e racionalizar a ação judicial”, afirmou Toffoli. No campo da tecnologia da informação, ele destacou projetos que priorizou à frente do CNJ, como o DataJud, banco de informações sobre processos judiciais centralizado pelo Conselho, o módulo do Processo Judicial Eletrônico (PJe) dedicado à execução fiscal e o Programa Justiça Presente, voltado para transformação do sistema prisional.

“Com o DataJud, temos uma base única com todas as informações relevantes sobre dados judiciais do país. Usamos a inteligência artificial para que nossa mão de obra especializada possa dedicar à atividade-fim do Poder Judiciário, sem ter mais de ficar preenchendo relatórios. O Módulo de Execuções Fiscais irá otimizar o fluxo de tramitação desses processos, que constituem historicamente o maior fator da morosidade na justiça e representam 30 milhões dos 77 milhões dos processos em tramitação. Como sabemos, execuções fiscais são cobrança de tributos devidos, ou seja, deixamos de ter recursos aplicados em saúde e educação e outras políticas do Poder Executivo.”

Sobre a defesa dos direitos fundamentais, o ministro Dias Toffoli lembrou o Programa Justiça Presente, resultado de parceria firmada com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) que reúne aprimoramentos em todos os estágios do cumprimento de uma pena. O programa ampliou o alcance do Sistema de Execução Eletrônica Unificado (SEEU), um banco de dados que permite ao juiz de execução penal acompanhar a dinâmica do cumprimento da pena desde antes da sentença até a reinserção social do condenado.

“Na transferência de um preso de um estado a outro, por exemplo, o juiz que o recebe na mesma hora recebe o processo eletrônico. Não há traslado de processo físico. É um sistema único que alerta o magistrado sobre qualquer andamento necessário ao caso, a fim de que não tenhamos aquilo visto pelo ministro Gilmar ao fazer os mutirões carcerários: presos com pena cumprida há sete, 10, 12 anos”, afirmou. Instalado em 26 dos 27 tribunais de justiça e quatro dos cinco tribunais regionais federais, o SEEU já contabiliza mais de 1,4 milhão de processos cadastrados – incluídos os cerca de 800 mil presos do sistema prisional e aqueles fora do sistema, em regime aberto ou liberdade condicional, por exemplo.

Produtividade

Ao responder uma pergunta sobre a imagem do Poder Judiciário, o ministro lembrou a média de 2.107 processos julgados em definitivo por magistrado por ano (alta de 13% em relação ao ano anterior) e a queda de 1,5 milhão de processos no acervo em tramitação – pelo segundo ano consecutivo. “A Comissão de Eficiência da União Europeia esteve aqui e afirmou que a média de casos julgados por ano em países como Portugal, Espanha, França e Alemanha chega a 900, no máximo. A magistratura brasileira é a mais produtiva do mundo e a redução no acervo de 2019 se deu em todos os ramos da Justiça. Isso mostra uma política coordenada e institucional, um exemplo são as metas nacionais (de produtividade). Todos esses avanços refletem o árduo trabalho dos magistrados e servidores, de ontem e hoje.”

Além de apresentar eficiência com estatísticas, o ministro lembrou os casos de comoção nacional que foram acompanhados individualmente pelo Observatório Nacional sobre Questões Ambientais, Econômicas e Sociais de Alta Complexidade e Grande Impacto e Repercussão, uma parceria entre o CNJ e o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). “Só em Maceió, no Caso Pinheiro [em que uma mina de extração de sal-gema comprometeu a moradias em quatro bairros da cidade], contribuímos para viabilizar uma solução acordada entre a [mineradora] Braskem e as famílias vítimas, o que evitou a entrada de cerca de 40 mil ações na Justiça.”

A intermediação do Observatório ajudou a resolver 88 mil causas do Caso Mariana – desabamento de uma mina da Vale em Minas Gerais – de acordo com Dias Toffoli. Recentemente, o Observatório decidiu que a questão racial na Justiça também passará a ser monitorada. “Assim teremos um levantamento de informações centralizado, pois só com dados fidedignos é possível tomar decisões. Temos de ter a realidade e parar de viver no país do achismo, do ‘eu acho que’. Por isso defendo o método de ver, julgar e agir.”

Outro programa iniciado na gestão Dias Toffoli foi o Destrava, que interferiu positivamente nas negociações para a retomada de obras paralisadas no país. De acordo com o ministro, após o levantamento dos empreendimentos públicos parados no Brasil, verificou-se que apenas 3% das obras foram suspensas por intervenção do Ministério Público ou decisão do Judiciário. “Na verdade, o que mais paralisa é temor do gestor para retomar uma obra que já foi alvo de denúncias numa gestão anterior. O gestor fica intimidado de dar continuidade porque não tem segurança jurídica de que não venha a ser penalizado por algo que não fez. Nossa ideia foi unir todos os entes envolvidos, seja o ente administrativo executivo, controle interno, tribunal de contas, seja o Ministério Público para que, junto com sociedade civil, pudéssemos diagnosticar e propor solução para problema.”

De acordo com Dias Toffoli, 68% das obras paralisadas em Goiás – estado onde se promove o projeto-piloto do Destrava – foram retomadas. O dado equivale a 38 obras liberadas, quase todas de construção de creches. “Promover esses empreendimentos é retomar economia e garantir direitos fundamentais. Por tudo isso, digo que o Poder Judiciário brasileiro tem respondido à altura os desafios que lhe são impostos.”

Leia o relatório da Presidência do ministro Dias Toffoli

Após cumprir o mandato de dois anos, o ministro Dias Toffoli deixará o cargo na próxima semana. O novo presidente do CNJ será o ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux, que assumirá o cargo em cerimônia de posse marcada para a próxima quinta-feira (10/9).

Manuel Montenegro
Agência CNJ de Notícias

Ouça o boletim na Rádio CNJ

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/dias-toffoli-faz-balanco-de-gestao-eficiente-para-tribunais-e-sociedade/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=dias-toffoli-faz-balanco-de-gestao-eficiente-para-tribunais-e-sociedade.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …