Obra internacional sobre direitos humanos é lançada no Brasil

Foi lançada nesta terça-feira (8/9) a versão em língua portuguesa da obra “Comentários à Convenção Americana sobre Direitos Humanos”, em uma iniciativa que aproxima a jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) dos profissionais do direito e da sociedade brasileira. A obra, editada originalmente em espanhol, foi organizada e traduzida no idioma oficial do Brasil para dar uma compreensão mais ampla sobre democracia, Estado de Direito e direitos humanos.

O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que assina o prefácio da publicação, disse durante webinário de apresentação da publicação que um dos destaques é a multiplicidade de autores de diferentes nacionalidades envolvidos na redação dos comentários apresentados. “Essas pluralidades de saberes em muito enriqueceram as discussões e reflexões trazidas no livro, cuja clareza do conteúdo permite o estabelecimento do imprescindível diálogo entre o ordenamento jurídico nacional e internacional”, disse. (Tira essa parte: Conforme o ministro, a pluralidade de saberes enriquece as discussões expostas no livro e que apresenta, também, um diálogo entre o ordenamento jurídico nacional e internacional). E segue o texto normalmente.

A publicação é composta por comentários organizados de acordo com a estrutura da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, abrangendo desde a abordagem histórica sobre a trajetória no continente americano para a elaboração de um sistema interamericano destinado ao fortalecimento e à proteção dos direitos humanos a procedimentos para a assinatura, ratificação, reserva, emenda, protocolo e denúncia de violações. O livro publicado pela Fundação Konrad Adenauer (KAS) e a editora Tirant Lo Blanch Brasil possui também uma seção especial sobre a jurisprudência sobre povos indígenas.

A presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos, Elizabeth Odio, falou sobre a importância do lançamento da versão em português, lembrando que os direitos humanos são a coluna vertebral do sistema democrático. “É obra de consulta obrigatória para integrantes das cortes, acadêmicos, estudantes, jornalistas e para a sociedade civil”, disse. “Comentários à Convenção Americana sobre Direitos Humanos” é também, segundo frisou Elizabeth Odio, uma contribuição para que o Brasil viva e se sinta como parte essencial de uma família continental.

Signatários

A Convenção Americana sobre Direitos Humanos, também conhecida como Pacto de San Jose da Costa Rica, foi assinada em 1969, vigora entre os países que integram a Organização dos Estados Americanos (OEA) e consagra diversos direitos civis e políticos. Os estados signatários, grupo do qual o Brasil faz parte desde 1992, comprometem-se a respeitar os direitos e liberdades e garantir seu pleno exercício. A proteção dos direitos contidos na Convenção é realizada pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que investiga os fatos que possam violar as normas da Convenção.

A diretora do Programa Estado de Direito para a América Latina da Fundação Konrad Adenauer, Marie-Christine Fuchs, comentou que a versão em português do livro é um trabalho de equipe que apresenta diferentes perspectivas jurídicas sobre as normas dos direitos humanos. O objetivo, disse, é fazer com que a mensagem sobre esse tema esteja disponível a todos os brasileiros. Além do lançamento físico, a publicação estará disponível para acesso gratuito nos próximos dias na página https://dialogoderechoshumanos.com

O co-editor da publicação, Christian Steiner, salientou que a finalidade também é criar condições para que as normas contidas na Convenção Interamericana de Direitos Humanos sejam aplicadas e se tornem mais efetivas. “Se queremos que o Estado de Direito marcado pelos direitos humanos se torne realidade, temos que facilitar a aplicação das normas”, afirmou.

Participaram do webinário também a diretora da editora Tirant Lo Blanch Brasil, Aline Gostinski, o coordenador editorial, Daniel Alejandro Pinilla, a ministra do STJ eleita corregedora nacional de Justiça, Maria Thereza Assis Moura, a conselheira do CNJ Maria Tereza Uille e o conselheiro do CNJ André Godinho.

Luciana Otoni
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/obra-internacional-sobre-direitos-humanos-e-lancada-no-brasil/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=obra-internacional-sobre-direitos-humanos-e-lancada-no-brasil.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …