Concluída mais uma etapa do Projeto Juízo de Admissibilidade – STF

O projeto estratégico “Juízo de Admissibilidade #100% AREs”, idealizado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, no início de sua gestão, teve mais uma etapa concluída – colocar em operação assistida o fluxo de autuação e a divulgação e a baixa automática dos processos. O objetivo do projeto é concretizar a meta de 100% de análise dos Recursos Extraordinários com Agravo (AREs) pela Presidência do Supremo, diminuindo o volume de processos distribuídos aos gabinetes dos ministros e evitando recursos manifestamente inadmissíveis, conforme previsão do Regimento Interno do STF. Assim, os magistrados podem concentrar esforços na apreciação de casos complexos e de maior relevância, preservando a vocação constitucional da Corte.
 
Passo a passo

Com a conclusão da nova etapa, o ARE 1286328 foi recebido no STF e, no mesmo dia, a ação passou pelo fluxo integral de análise desde o recebimento à divulgação no Diário de Justiça eletrônico (DJe) em seu novo formato.

Em um ambiente completamente automatizado em que a inteligência do fluxo de tramitação está no sistema, a análise de admissibilidade do ARE 1286328 seguiu com a execução das tarefas de cadastramento, indexação de peças e autuação, realizados no âmbito da Coordenadoria de Processamento Inicial, pelas tarefas de análise inicial dos pressupostos recursais e enquadramento de tema, no âmbito da Coordenadoria de Admissibilidade Recursal, e pela revisão da análise de enquadramento de repercussão geral (Presidência).
 
Em seguida, submetido à análise final do presidente do STF e uma vez assinado, foi disponibilizado no DJe de forma automática. No dia útil seguinte, na publicação do diário, foram lançadas as fases automáticas de andamento e deslocamento no portal do Supremo e também a remessa dos autos para o tribunal de origem.
 
Simplificação
 
Neste fluxo automatizado não se faz necessário utilizar os vários sistemas até então disponíveis. Para o mesmo processo, no modelo que se encontra em vias de superação, o processo passaria pelos sistemas E-Gabinete (alimentado em todas as fases de análise), STF Digital, E-Processamento, STF Digital novamente, E-Supremo, E-Jud, E-decisão e Textual, até chegar no DJe e no Portal, quando seria feita de forma manual a remessa externa dos autos. A simplificação do processo de trabalho promovida pelo projeto foi responsável pela redução do acervo do Supremo nos últimos dois anos.
 
Esse fluxo contínuo de análise permite que o servidor responsável dedique-se apenas a examinar o processo sem gastar esforços com deslocamentos ou utilização de vários sistemas, o que confere mais segurança, mais velocidade e mais qualidade na análise. Permite, ainda, com a automatização dos procedimentos cartorários, que os servidores passem a se dedicar cada vez mais à análise processual. Com a completa automatização do fluxo de admissibilidade, o sistema fornece um forte alicerce para o uso de Inteligência Artificial no futuro próximo.
 
Mudança de paradigma

“Com a entrada em produção de todos os pronunciamentos judiciais desse fluxo, será promovida uma mudança de paradigma sem precedentes para o STF”, afirma a secretária-geral da Presidência, Daiane Nogueira.

RP//SGPr

Leia mais:

18/8/2020 – Projeto Juízo de Admissibilidade impulsiona redução do acervo processual do STF

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=451343.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Dispositivo da Constituição de SP sobre desafetação de áreas verdes por municípios é contestado no STF – STF

O procurador-geral da República, Augusto Aras, ajuizou, no Supremo Tribunal Federal (STF), a Ação Direta …