Ciclo de palestras no Maranhão debate participação feminina nas eleições

A participação feminina no processo eleitoral, em especial registrando candidaturas e sendo eleitas, é um dos temas tratados durante o Ciclo de Palestras promovido pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA). A cidade a sediar o próximo pólo é Caxias, na segunda-feira (14/9), a partir das 9h.

O acesso ao conteúdo do Ciclo é feito após o interessado inscrever-se pelo endereço eletrônico www.tre-ma.jus.br/ciclos, clicando em “Novo Cadastro” e preenchendo os dados solicitados. No dia do evento, também é pelo mesmo endereço, bastando clicar no botão “Ingressar”.

Na sexta-feira (11/9), foi a vez de políticos, representantes de partidos, imprensa e sociedade de Santa Inês e cidades vizinhas participarem do Ciclo, que tratou de assuntos como registros de candidaturas, convenções partidárias, propaganda eleitoral, combate à desinformação; prestação de contas eleitorais e segurança do voto eletrônico. Também estão sendo abordadas as alterações no procedimento de votação em razão da pandemia.

Ao fazer a abertura do evento, o desembargador Tyrone Silva, presidente do TRE-MA, prestou esclarecimentos sobre o dia da votação, que disporá de materiais de segurança sanitária individual para mesários, por exemplo, e reforçou ainda que os grupos de riscos terão horário preferencial para votar que será de 7h às 10h.

Sobre a participação feminina no processo eleitoral está palestrando a juíza Lavínia Coelho, que é membro da Corte, diretora da Escola Judiciária e presidente da Comissão de Política de Gênero e Cidadania do Regional. Em sua fala, a magistrada tem destacado que a Resolução 23.609 do TSE é bem clara ao dar poder ao magistrado de determinar que o partido, no prazo de 24h, apresente o pedido de registro de candidatura de qualquer mulher com assinatura dela. Assim, evitam-se várias fraudes.

“Chega das afamadas candidaturas laranjas. É um nome muito ruim, e até chamo a atenção porque é um nome que todo mundo chama, mas é um nome muito ruim porque vitimiza as mulheres. Mulheres que foram usadas para burlar a lei, para apresentarem candidaturas fraudulentas feitas por dirigentes partidários que em sua grande maioria são homens”.

Outro membro da Corte que se manifestou nesse 3º dia do Ciclo de Palestras – realizado a partir da cidade polo Santa Inês, foi Bruno Dualibe, que tratou acerca de “inelegibilidades”. “Há uma divergência encabeçada pelo eminente doutrinador José Jairo Gomes que diz que basta o dano ao erário ou enriquecimento ilícito, quando na verdade o TSE pacificou o entendimento de que a condenação por improbidade tem que gerar ao mesmo tempo ambas as coisas. Por isso que a conjunção é aditiva. Aí vem uma das grandes situações que foi a lei da ficha limpa que trouxe: o momento em que essa condenação por improbidade gera a inelegibilidade que antes era o trânsito em julgado e agora é a partir da decisão colegiada.”

O último dia do Ciclo de Palestras será aberto para todo o estado, no dia 22 de setembro, às 9h, com transmissão ao vivo pelo canal TRE-MA do YouTube, que é por onde também são veiculadas as sessões de julgamento da Corte, entre outros eventos da Justiça Eleitoral maranhense.

Fonte: TRE-MA

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/ciclo-de-palestras-no-maranhao-debate-participacao-feminina-nas-eleicoes/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=ciclo-de-palestras-no-maranhao-debate-participacao-feminina-nas-eleicoes.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …