CNJ entrega ao Congresso proposta de lei para disciplinar custas judiciais

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) entregou ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, anteprojeto de lei complementar para disciplinar as custas judiciais na justiça brasileira. O texto foi elaborado por um grupo de trabalho nomeado em maio de 2019 para regulamentar o tema, conforme previsto na Constituição Federal. As custas judiciais são taxas pagas por quem aciona a Justiça, em geral quando se ajuíza ação, e em outros momentos específicos, como quando se recorre de uma decisão, por exemplo.

A necessidade de regulamentar a matéria se justifica pela disparidade dos valores cobrados para acessar a Justiça nas diferentes unidades da Federação, pela falta de barreiras à litigância abusiva e pela sustentabilidade da prestação dos serviços judiciários. A discrepância entre os valores de custas cobradas pelo Poder Judiciário de diferentes estados foi verificada em estudo de 2019 do Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ/CNJ). As taxas cobradas no Piauí – o terceiro estado com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país – eram mais altas que os valores praticados na Justiça do Distrito Federal, unidade federativa com o maior IDH do país.

“Com o projeto, tenta-se uniformizar os conceitos e criar balizas mínimas e máximas que permitam aos estados, no exercício de sua autonomia, fixar as custas judiciais de modo a que o sistema de justiça não seja usado de maneira oportunista, para fins privados, mas que seja usado para garantir o mais amplo acesso à Justiça”, afirmou o ministro Cueva, coordenador do grupo de trabalho que redigiu a proposta de regulamentação. No processo de elaboração, especialistas foram ouvidos em uma audiência pública.

No evento realizado em novembro de 2019, no STJ, o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) Wilson Pimentel demonstrou como os baixos valores das custas podem contribuir para a chamada litigância abusiva. Pesquisa conduzida pelo especialista da FGV indicou que 87% das ações cíveis que tramitaram no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) em 2018 foram movidas ou respondidas por apenas 30 litigantes. De acordo com a Teoria dos Jogos, utilizada para analisar os resultados do estudo, uma concessionária de serviços públicos envolvida em muitos litígios na Justiça, por exemplo, não será incentivada a recorrer à negociação como forma de prevenir a judicialização dos conflitos se o valor para acessar o Judiciário for muito baixo.

Gratuidade

Autorizar o estabelecimento de um sistema com valores diferenciados, como previsto no Artigo 14 do texto do anteprojeto, pode dar mais efetividade à gratuidade da Justiça. Até hoje, o estabelecimento de limites máximos das custas e a prática generalizada no Judiciário de reduzir as custas acaba por favorecer, por mais paradoxal que pareça, as camadas de faixas de renda mais alta. Com faixas distintas de valores, o grupo de trabalho espera equilibrar sustentabilidade do Poder Judiciário e o direito constitucional de acesso à Justiça.

Enquanto uns pagarão uma taxa regular, os cidadãos de baixa renda poderão ser isentos de pagamentos para acionar os serviços dos tribunais. De acordo com a pesquisa “Diagnóstico das Custas Processuais Praticadas nos Tribunais”, realizada pelo DPJ/CNJ, em 2018, um em cada três (34%) dos processos arquivados pelo Poder Judiciário, passíveis de cobrança de custas, tiveram concessão de assistência judiciária gratuita. Na Justiça do Trabalho, esse índice chegou a 52%.

Construção participativa

A diversidade de representações presentes à audiência pública refletiu a abrangência de visões das diferentes instituições que integram o sistema de justiça. Participaram representantes de tribunais de diferentes portes de todo país, associações de magistrados e de advogados, defensoria pública, ministério público e da academia. “Foi uma excelente oportunidade para compreender os anseios e percepções dos diversos segmentos do Judiciário e dos operadores do direito, em geral, quanto aos melhores caminhos para a prestação jurisdicional no país, bem como para colher críticas e sugestões, que muito contribuíram para o aperfeiçoamento do anteprojeto”, afirmou o ministro Cueva.

A diversidade foi uma demanda também atendida na composição do grupo de trabalho que elaborou o texto do anteprojeto de lei nomeado pelo então presidente do CNJ, ministro Dias Toffoli. O grupo foi composto pelo  conselheiros do CNJ Henrique Ávila e Maria Cristiana Simões Amorim Ziouva, pelo ministro Cláudio Mascarenhas Brandão, do Tribunal Superior do Trabalho; pelo desembargador Marcelo Buhatem, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro; pelo então Secretário Especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ, juiz Richard Pae Kim; pelo Juiz auxiliar da Presidência do CNJ Márcio Evangelista Ferreira da Silva; pela juíza Clara da Mota Santos Pimenta Alves, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região; pelo juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça Jorsenildo Dourado do Nascimento; pelo juiz auxiliar do Conselho da Justiça Federal Daniel Marchionatti Barbosa; pelo juiz federal Erik Navarro Wolkart, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região; pela professora Luciana Yeung, do Instituto Insper, pelo Ppofessor Paulo Furquim de Azevedo, do Instituto Insper, pelo consultor legislativo Victor Carvalho Pinto, do Senado Federal; pelo juiz Felipe Albertini Nani Viaro, do Tribunal de Justiça de São Paulo; pelo defensor público-geral Rafael Vinheiro Monteiro Barbosa, do Estado do Amazonas e representante do Colégio Nacional dos Defensores Públicos-Gerais (CONDEGE) e pelos representantes do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Luiz Claudio Silva Allemand e Rodrigo Badaró de Castro.

De acordo com a conselheira Ziouva, a regulamentação das custas judiciais contribuirá para o aperfeiçoamento e principalmente para a efetividade do Poder Judiciário na medida em que cria parâmetros objetivos para sua cobrança. “Não se nega a importância da gratuidade da Justiça, que é aliás um instrumento importante para a implantação do direito ao acesso à justiça. Todavia, esse benefício deve ser restrito aos que são de fato hipossuficientes economicamente, sob pena de se tornar ineficaz o sistema de custas judiciais como instrumento para adequada utilização do sistema de justiça”, afirmou a conselheira.

Manuel Carlos Montenegro

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/cnj-entrega-ao-congresso-proposta-de-lei-para-disciplinar-custas-judiciais/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=cnj-entrega-ao-congresso-proposta-de-lei-para-disciplinar-custas-judiciais.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …