Vara autoriza retomada gradual de benefícios e visitas a pessoas presas no DF

A juíza titular da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal (VEP/DF) proferiu decisão na quinta-feira (10/9) autorizando a retomada gradual dos benefícios aos sentenciados presos, consistentes em trabalho externo, saídas temporárias e “saidinhas” para todos os reeducandos que dele fizerem jus, bem como o retorno das visitas sociais para visitantes previamente cadastrados ou judicialmente autorizados. O benefício não alcança as saídas para fins de estudo externo, uma vez que as aulas presenciais continuam suspensas nas redes pública e privada do Distrito Federal.

A decisão confirma posicionamento anterior da VEP no sentido de permitir o retorno da fruição de tais benefícios previstos a partir dos dias 14 e 16 de setembro, respectivamente, caso não houvesse nenhuma adversidade epidemiológica.

Sobre o atual cenário da Covid-19, a magistrada consignou que, embora até a presente data “ainda não tenha havido sua erradicação, tampouco a cura e, embora ainda haja necessidade de continuarmos todos, população extra e intramuros, adotando todas as medidas de prevenção e biossegurança estabelecidas pelos profissionais da saúde, não há que se falar em adversidade epidemiológica apta a manter o recrudescimento”. Assim, prossegue ela, “é chegado o momento de se reiniciar gradualmente o convívio mais estreito entre a população privada de liberdade e seus entes queridos e, ainda, a retomada das atividades laborais e de estudo externo”.

Para o retorno das visitas foi estabelecido protocolo com uma série de medidas a serem adotadas, entre elas a realização das visitas em blocos com horários definidos, limitação a um visitante por preso, vedação ao ingresso de visitantes que façam parte dos grupos de risco, proibição de contato físico e de acesso aos banheiros dos pátios, fechamento das cantinas, obrigatoriedade do uso de mascaras e proibição do acesso de ambulantes na área externa das unidades prisionais.

A Secretaria distrital de Administração Penitenciária (SEAPE) deve publicar em seu site institucional a íntegra dos protocolos de visita presencial e as restrições estabelecidas, a serem rigorosamente obedecidos, visto que, “o sistema prisional conta, na atualidade, com 14.886 pessoas recolhidas, apenas sob a custódia da SEAPE, de modo que as medidas ora adotadas visam não somente a salvaguarda da saúde delas e dos profissionais que atuam no sistema prisional, como das pessoas que nele ingressarão para visitação”.

Por fim, a julgadora ressalta a necessidade de a administração pública adotar providências definitivas quanto à instalação de guarda-volumes, oneroso ou gratuito, a fim de atender o visitante que leva consigo pertences essenciais – como documentos e aparelhos celulares – que não podem adentrar nas unidades prisionais.

Exceções

As visitas seguem suspensas no CDP II, DCCP e na ATP, considerando que os dois primeiros tratam de unidades de recepção e triagem de novos presos – que cumprem regime de quarentena preventiva – e o último, em virtude da vulnerabilidade do público em cumprimento de medida terapêutica, cujo entendimento sobre o cumprimento das regras de afastamento social e cuidados de sanitários acabam sendo comprometidos por seu adoecimento psiquiátrico.

Permanecem suspensas também as visitas religiosas – até a análise de proposta a ser formulada pela SEAPE -, bem como as de cunho acadêmico e de profissionais da imprensa, enquanto durar a pandemia.

SEEU: 0401846-72.2020.8.07.0015

Fonte: TJDFT

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/vara-autoriza-retomada-gradual-de-beneficios-e-visitas-a-pessoas-presas-no-df/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=vara-autoriza-retomada-gradual-de-beneficios-e-visitas-a-pessoas-presas-no-df.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …