Corregedoria-Geral da JT inicia correição ordinária no TRT da 18ª Região (GO) 

Feita totalmente de forma remota, em razão da pandemia, essa é a primeira correição telepresencial da história.

Print da sala de audiência telepresencial entre o corregedor-geral da Justiça do Trabalho e os desembargadores do TRT da 18ª Região (GO)

Print da sala de audiência telepresencial entre o corregedor-geral da Justiça do Trabalho e os desembargadores do TRT da 18ª Região (GO)

15/09/20 – O corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, iniciou, nesta segunda-feira (14), correição ordinária no Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO). Essa é a primeira correição ordinária integralmente telepresencial da história da Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho, que havia adiado as inspeções programadas em razão da pandemia. A atividade correicional segue até sexta-feira (18).

No abertura dos trabalhos, o presidente do TRT da 18ª Região, desembargador Paulo Pimenta, deu as boas vindas a toda a equipe da Corregedoria-Geral e colocou a Administração do Tribunal à disposição para facilitar ao máximo os trabalhos correicionais. O ministro Aloysio Corrêa da Veiga também se reuniu nesta segunda com todos os desembargadores do tribunal.

Para o corregedor-geral, a realização da correição na modalidade telepresencial, nessa nova plataforma, retrata um momento histórico na atual mudança de realidade. O ministro disse que a escolha da 18ª Região não foi por acaso. “Foi pela sua atuação, pela sua responsabilidade, pelo acerto daquilo que está realizando”, afirmou.

O ministro afirmou também que a correição é uma oportunidade para que o TRT-18 e o TST atuem conjuntamente para dar à Justiça do Trabalho o respeito e a importância que ela tem, principalmente no momento em que o país experimenta essa crise avassaladora.

Leia mais:

10/9/2020 – Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho realizará primeira correição telepresencial da história do órgão

Com informações do TRT da 18ª Região (GO)

$(‘#lightbox-ssfr_ .slider-gallery-wrapper img’).hover(
function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 0);
}, function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 1);
}
);
$(document).ready(function() {
var ssfr_autoplaying=false;
var ssfr_showingLightbox=false;
const ssfr_playPauseControllers=”#slider-ssfr_-playpause, #slider-ssfr_-lightbox-playpause”;
$(“#slider-ssfr_”).slick({
slidesToShow: 1,
slidesToScroll: 1,
autoplay: ssfr_autoplaying,
swipeToSlide: false,
centerMode: false,
autoplaySpeed: 3000,
focusOnSelect: true,
prevArrow:
‘,
nextArrow:
‘,
centerPadding: “60px”,
responsive: [
{
breakpoint: 767.98,
settings: {
slidesToShow: 3,
adaptiveHeight: true
}
}
] });
$(“#slider-ssfr_”).slickLightbox({
src: ‘src’,
itemSelector: ‘.galery-image .multimidia-wrapper img’,
caption:’caption’
});
});

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Live discutirá inserção das pessoas com deficiência no mercado de trabalho

Evento oferecerá recursos de acessibilidade e será transmitido pelo canal oficial do TST no YouTube  …