Correição TRT-18: Corregedor-geral da JT conhece projeto "Prática do Acolhimento" da Vara do Trabalho de Goiás

Iniciativa tem o objetivo de acolher, de forma mais humana, as partes e seus advogados que vão participar de audiências judiciais.

15/09/2020 – O Corregedor-Geral da Justiça do Trabalho, Aloysio Corrêa da Veiga, se reuniu, nesta terça-feira (15), por meio de videoconferência, com dois juízes da Vara do Trabalho de Goiás para conhecer o projeto “Prática do Acolhimento”. A iniciativa, dos magistrados Andressa Carvalho e César Silveira, tem o objetivo de acolher, de forma mais humana, as partes e seus advogados que vão participar de audiências judiciais. 

Ao destacar a iniciativa de boa prática, o Ministro destaca que grande parte das pessoas nunca entrou em um tribunal e ficam desconfortáveis ou “acanhadas” com o ambiente formal. “São ações assim que humanizam a Justiça e devem ser multiplicadas em outros TRTs”, enfatizou o ministro Aloysio Corrêa da Veiga ao enaltecer a prática desenvolvida em Goiás. Esta semana, o TRT-18 passa por correição ordinária da Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho. A correição está sendo feita de forma totalmente virtual por conta da medidas de prevenção ao novo coronavírus.

Acolhimento

Antes de cada audiência, as partes são recebidas por juízes e servidores do TRT e escutam explicações sobre o funcionamento da Justiça do Trabalho, a importância da conciliação, a origem dos conflitos e a melhor forma de resolução das questões. Para os magistrados idealizadores da iniciativa, essa conversa inicial já alivia as emoções e traz mais tranquilidade quando a audiência efetivamente começar.

A iniciativa já reflete no aumento do número de conciliações realizadas no TRT-18. Ao todo, foram conciliados 81% dos processos que chegaram ao regional no ano passado. Desde o início deste ano, 84% das ações também foram resolvidas por meio da conciliação.

(JS/AJ)

$(‘#lightbox-pszu_ .slider-gallery-wrapper img’).hover(
function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 0);
}, function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 1);
}
);
$(document).ready(function() {
var pszu_autoplaying=false;
var pszu_showingLightbox=false;
const pszu_playPauseControllers=”#slider-pszu_-playpause, #slider-pszu_-lightbox-playpause”;
$(“#slider-pszu_”).slick({
slidesToShow: 1,
slidesToScroll: 1,
autoplay: pszu_autoplaying,
swipeToSlide: false,
centerMode: false,
autoplaySpeed: 3000,
focusOnSelect: true,
prevArrow:
‘,
nextArrow:
‘,
centerPadding: “60px”,
responsive: [
{
breakpoint: 767.98,
settings: {
slidesToShow: 3,
adaptiveHeight: true
}
}
] });
$(“#slider-pszu_”).slickLightbox({
src: ‘src’,
itemSelector: ‘.galery-image .multimidia-wrapper img’,
caption:’caption’
});
});

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Multinacional deve indenização por consultar informações creditícias em processo seletivo  

A conduta foi considerada discriminatória. 23/11/20 – A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho restabeleceu …