Inquérito Eletrônico: integração entre Polícia Civil e Justiça acelera decisões no MT

Em poucas horas, a juíza designada para a comarca de Porto Esperidião (MT), município a 322 km a oeste da capital do estado, Henriqueta Fernanda Chaves Alencar Ferreira Lima, concedeu medida protetiva a uma vítima de ameaça e decidiu a medida cautelar a ser adotada em relação ao acusado, após parecer do Ministério Público. Essa resposta rápida só foi possível em razão da integração entre o sistema utilizado pela Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso (Sistema Geia) e o Processo Judicial eletrônico (PJe), que permite que todas as peças do inquérito policial sejam transmitidas para as unidades judiciárias de Mato Grosso em tempo real, sem a necessidade do uso de papel.

Para o sistema de justiça, a celeridade confere dignidade. “Em se tratando de uma vítima de violência doméstica, a concessão de uma medida cautelar pode valer uma vida”, diz a juíza Henriqueta Lima. Em função da integração do sistema, a magistrada recebeu por e-mail as peças do inquérito, às 22 horas de segunda-feira (14/9). No mesmo instante, uma mensagem chegou ao seu telefone celular. Ela precisou de poucas horas para analisar as peças, fazer os encaminhamentos e dar a decisão. Situação que seria impossível se o processo fosse físico.

Titular da 1ª Vara da Comarca de Mirassol D’Oeste, a juíza reside naquele município. Sem a integração, o inquérito chegaria ao Fórum, ela teria que pedir a um assessor que fosse ao local, imprimisse os documentos, escaneasse, e encaminhasse para ela, por e-mail. “Seria um processo bem mais longo.”

O pedido de medida restritiva de urgência, com base na Lei Maria da Penha, protocolado segunda-feira, na Vara Única de Porto Esperidião, inaugurou a integração dos sistemas. De acordo com o coordenador de Tecnologia da Informação da Polícia Civil, Fábio Arruda Góes Ferreira, a partir do dia 21 de setembro, a integração será realidade em todas as delegacias e comarcas do estado.

Para a Polícia Civil, a integração vai gerar economia anual de R$ 2 milhões, somente com a eliminação de impressões e papel, além da economia indireta através de infindáveis reduções de gastos com viaturas e combustível. Sem contar espaço físico e otimização do efetivo no trajeto delegacia/fórum, para levar e buscar processos todos os dias.

Pioneiro

A construção de um fluxo para inquérito policial dentro do sistema de Processo Judicial Eletrônico (PJe) foi desenvolvido de forma pioneira na Comarca de Poconé (distante 104 km de Cuiabá) e começou a operar em junho deste ano. A diferença daquele modelo para o atual, de integração, segundo Fábio Ferreira, era a necessidade na ocasião de imprimir o inquérito, escaneá-lo e lançá-lo no PJe. “Agora, com a integração, o trâmite é 100% digital.”

Mais que economia de recursos públicos para o estado, o juiz auxiliar da Corregedoria, Otávio Vinícius Affi Peixoto, destaca que a integração garante agilidade no trâmite, segurança das informações e das provas. E também contribui para a sustentabilidade do planeta, já que não será mais utilizado nenhum tipo de papel.

Para que a integração fosse realidade em todo o Mato Grosso, o Poder Judiciário investiu na implantação do PJe Criminal e na criação dos fluxos. “A expectativa é de melhoria e celeridade nas investigações, cortando o transporte de autos das delegacias aos fóruns. Fora o ganho proporcionado pelo processo eletrônico”, ressaltou o juiz auxiliar da Corregedoria.

Os procedimentos para protocolo e processamento de inquéritos e outros processos de natureza investigatória no sistema PJe no âmbito do Primeiro Grau constam do Provimento nº 24, de 27 de agosto de 2020, da Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ).

Fonte: TJMT

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/inquerito-eletronico-integracao-entre-policia-civil-e-justica-acelera-decisoes-no-mt/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=inquerito-eletronico-integracao-entre-policia-civil-e-justica-acelera-decisoes-no-mt.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

CNJ dá início às aulas virtuais do curso Marco Legal da Primeira Infância

Com o objetivo de alcançar melhores resultados na realização de atividades voltadas à primeira infância, …