Decisão judicial suspende portaria da Funai e protege terra indígena no nordeste do PA contra grilagem

Em decisão publicada na sexta-feira (25/9), a Justiça Federal em Castanhal (PA) concedeu liminar ao Ministério Público Federal (MPF) suspendendo os efeitos da Instrução Normativa (IN) 9/2020 da Fundação Nacional do Índio (Funai), que liberou a grilagem em terras indígenas não homologadas – todas aquelas em que não foi concluído, pela própria Funai, o processo de demarcação. A medida protege a terra indígena Jeju e Areal, do povo Tembé, a única ainda não demarcada na região abrangida pela vara federal de Castanhal.

De acordo com a decisão, a normativa adotada pela Funai vai no sentido oposto ao tratamento dado pelo artigo 231 da Constituição brasileira às terras indígenas, que considera o direito dos povos indígenas aos seus territórios como precedente, cabendo ao Estado apenas o reconhecimento dos territórios e sua demarcação. “Ademais, impende salientar que a existência de territórios indígenas ainda não definitivamente regularizados em favor dos povos que os reivindicam, ao que tudo indica, constitui pendência atribuível à morosidade da própria demandada”, diz a liminar judicial, citando a obrigação legal do Poder Executivo de demarcar todas as terras indígenas no prazo de cinco anos após a promulgação da Constituição.

Não é admissível, diz a Justiça, que a Funai, “valendo-se de sua conduta omissiva, não leve em consideração a existência de processos ainda não finalizados de delimitação de territórios, comportamento que, ao contrário do noticiado intuito de combater insegurança jurídica, contraditoriamente a insufla, além de potencializar a ocorrência de conflitos fundiários”.

“Importa ainda destacar que as declaradas finalidades da nova disciplina trazida pela norma impugnada (…) dentre as quais ‘o pleno exercício da propriedade privada’ e evitar ‘a desproporcionalidade de impedir a certificação de imóvel particular sem a certeza inequívoca das poligonais da Terra Indígena em estudo’, aparentam não se coadunar com as razões legais para a criação da autarquia indigenista, expressamente manifestados no art. 1º da Lei 5.371/67”, diz a decisão, referindo-se à lei que criou a Funai.

O artigo citado na liminar instituiu a autarquia indigenista com o expresso intuito de, entre outras obrigações, garantir aos povos indígenas “a posse permanente das terras que habitam e ao usufruto exclusivo dos recursos naturais e de todas as utilidades nela existentes”.

A IN 9/2020 permitiu o registro de propriedades privadas sobrepostas a terras indígenas em fases de demarcação anteriores à homologação, que é o ato final governamental de reconhecimento de uma terra indígena. Para o MPF, ao retirar terras indígenas cujo processo de demarcação ainda não foi concluído dos sistemas de gestão fundiária (Sigef) e de cadastro ambiental rural (Sicar), na prática a portaria liberava a grilagem de áreas e poderia intensificar conflitos agrários.

Em todo o país foram ajuizadas até agora 16 ações judiciais em nove estados – Pará, Roraima, Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Ceará e Paraná – pedindo a suspensão dos efeitos da portaria. Com a decisão desta sexta-feira da Justiça Federal em Castanhal, já são nove liminares derrubando a instrução normativa da Funai e assegurando o cadastro de terras indígenas em diferentes etapas de demarcação. Em apenas dois casos a liminar foi indeferida, no MS e PR, e o MPF aguarda julgamento de recursos na segunda instância.

No Pará, ainda há ações sobre o mesmo tema pendentes de julgamento nas subseções judiciárias federais de Santarém, Tucuruí, Redenção, Paragominas e Belém.

Processo nº 1002552-77.2020.4.01.3904 – Justiça Federal em Castanhal (PA)

Fonte: MPF/PA

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/decisao-judicial-suspende-portaria-da-funai-e-protege-terra-indigena-no-nordeste-do-pa-contra-grilagem/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=decisao-judicial-suspende-portaria-da-funai-e-protege-terra-indigena-no-nordeste-do-pa-contra-grilagem.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Tribunal paraense disponibiliza guia prático para orientar execução fiscal

O Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) disponibilizou, na quarta-feira (21/10), o Guia Prático de …