Webinar debate assédio moral sofrido por advogadas no exercício da profissão – OAB

A OAB Nacional, por meio de suas comissões nacionais da Mulher Advogada, da Advocacia Jovem e de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia, realizou, na noite desta segunda-feira (28), o webinar “Diálogos sobre Prerrogativas da Mulher Advogada – Temática 1: Assédio Moral no Exercício da Profissão”. A Ordem entende que é fundamental debater com profundidade a questão do assédio contra as advogadas que atenta contra o livre exercício da profissão.

Foram realizadas as palestras “Assédio das advogadas empregadas e assédio no escritório de advocacia”, proferida pela integrante da Comissão da Mulher Advogada da OAB-PR, Nádia Mikos, que é coordenadora do Curso de Especialização em Relações do Trabalho da PUC-PR; “Advogadas iniciantes e assédio”, pela presidente da Comissão Nacional da Advocacia Jovem, Amanda Pereira de Magalhães, “Assédio às advogadas mães”, pela advogada e assessora jurídica, Marcelise Azevedo, e “Assédio e atuação profissional na área criminal”, pela vice-presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas na OAB-SP, Ana Carolina Moreira Santos.

A presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada, Daniela Borges, realizou a abertura do webinar e destacou a importância da atuação da comissão em diversas perspectivas, abrangendo o enfrentamento da violência contra a mulher, a inclusão das mulheres na política e a defesa das prerrogativas. Daniela sublinhou que as mulheres advogadas enfrentam violações de prerrogativas comuns aos homens, mas que precisam lidar ainda com obstáculos que estão ligados à perspectiva de gênero.

A presidente da Comissão Nacional da Advocacia Jovem, Amanda Pereira de Magalhães, apontou a importância do diálogo e das trocas de experiências como vetores de mudanças. Ela afirmou que as jovens advogadas passam por muitas provações que se acentuam na conjunção entre o início da carreira e o ser mulher. De acordo com Amanda, o assédio contra as mulheres é uma das maiores violações de prerrogativas por impedir o adequado exercício da profissão.

O presidente da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia, Alexandre Ogusuku, lembrou a aprovação da Lei 13.363/16, que assegura uma série de garantias às mulheres advogadas. Ele argumentou que a relação de assédio com prerrogativas é total, uma vez que exercer com liberdade seu ofício em todo o território nacional é direito de toda a advocacia e que o assédio é a antítese desse direito liberto do exercício da advocacia.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/58451/webinar-debate-assedio-moral-sofrido-por-advogadas-no-exercicio-da-profissao.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

OAB apoia propostas de alteração no regimento do STF que fortalecem decisões colegiadas – OAB

A OAB Nacional vem, por meio de nota pública, manifestar seu apoio às propostas de …