Presidente do STJ mantém efeitos de portaria que disciplina visita de advogados aos presos no Pará – STJ

​Por verificar risco de lesão à ordem pública, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, restabeleceu os efeitos da Portaria 529/2020 do Estado do Pará, que, em razão da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), passou a exigir agendamento e justificativa para as entrevistas entre os advogados e seus clientes presos.

O estado entrou com pedido suspensivo no STJ depois que uma desembargadora do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), considerando haver violação do Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil e da Lei de Execução Penal, deferiu liminar para sustar os efeitos da portaria.

Para o ente público, a liminar interfere diretamente, em contexto de pandemia, no planejamento de suas atividades – principalmente nos presídios de segurança máxima, pois as visitas demandam a movimentação dos presos e exigem rigorosas medidas de segurança. Por isso, requereu a suspensão da decisão do TJPA.

Direito preserva​do

O presidente do STJ, ministro Humberto Martins, lembrou que a suspensão de liminar é medida excepcional, condicionada à demonstração de grave lesão à segurança, à saúde, à economia ou à ordem públicas.

No caso, o ministro considerou estar demonstrado que o não cumprimento das regras de organização penitenciária pode afetar o interesse público, uma vez que tem potencial para colocar em risco a integridade física dos presos, dos servidores e do público em geral, em claro prejuízo à coletividade.

“A incontestável necessidade de respeitar o direito de visita do advogado ao cliente não leva à conclusão de que pode ser exercido de qualquer forma, segundo o seu livre-arbítrio”, afirmou o ministro.  Para ele, regulamentar a maneira como esse direito será exercido não significa negá-lo, “mas tão somente organizar a sua fruição para proporcionar segurança e eficiência, viabilizando que seja concretizado, uma vez que poderia ficar obstado se não houvesse um ambiente seguro e organizado nos presídios de segurança máxima”.

Regras neces​​sárias

Humberto Martins lembrou que o escopo da portaria é administrar, com ordem e clareza, a audiência dos advogados com os presos, em benefício também da própria advocacia. 

No contexto da pandemia de Covid-19, o ministro ressaltou que as regras da portaria para disciplinar o acesso à penitenciária são razoáveis e necessárias. Segundo o presidente do STJ, é poder-dever do Estado conferir ordem em estabelecimentos penitenciários, sendo a interferência do Judiciário, no caso, indevida.

Por fim, o ministro observou que o ato admite a não aplicação de suas regras aos casos urgentes, “o que demonstra que o exercício da advocacia de forma plena não fica prejudicado, pois há previsão de atendimento imediato, caso seja necessário”. 

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/mLMT3Io9DhA/30092020-Presidente-do-STJ-mantem-efeitos-de-portaria-que-disciplina-visita-de-advogados-aos-presos-no-Para.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Repetitivo definirá se Ecad pode cobrar direitos autorais por uso de música em quartos de hotel – STJ

Sob o rito dos recursos repetitivos, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) …