Senado analisa MP que incentiva setor automotivo no Centro-Oeste, Norte e Nordeste — Senado Notícias

O Senado deve analisar em breve a Medida Provisória 987/2020, que prorroga o prazo para empresas automotivas instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste apresentarem projetos de novos produtos para contarem com crédito presumido do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A MP foi aprovada na terça-feira (29) pela Câmara dos Deputados.

O texto da Câmara prorroga até 31 de outubro o prazo para as empresas apresentarem seus projetos. O crédito poderá ser usado para descontar o valor a pagar a título de Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) em vendas realizadas entre 1º de janeiro de 2021 e 31 de dezembro de 2025. Durante esse período, as empresas precisam respeitar patamares mínimos de investimentos em inovação tecnológica, desenvolvimento e pesquisa.

Contrapartidas

Quando do envio da MP 987 ao Congresso, o governo informou que, entre 2010 e 2020, as contrapartidas exigidas pelo regime passaram de R$ 3 bilhões. Para as montadoras, as contrapartidas em investimentos produtivos, desenvolvimento e pesquisa passaram de R$ 2,5 bilhões. Já para as fabricantes de autopeças, as contrapartidas superaram R$ 500 milhões. Além disso, há a obrigação de as empresas investirem ao menos 10% do benefício auferido em inovação tecnológica, desenvolvimento e pesquisa nas três regiões. O objetivo do governo é exigir contrapartidas nos mesmos montantes entre 2021 e 2025.

Centro-Oeste

Inicialmente, a MP não incluía a região Centro-Oeste, até 2025, na prorrogação da política de incentivo fiscal para montadoras e fabricantes de autopeças. A região foi incluída, com a exceção do Distrito Federal (que já não fazia parte dessa política), pelo relator na Câmara, deputado André de Paula (PSD-PE). Para compensar a renúncia fiscal, o texto da MP determina cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre as operações de crédito realizadas com recursos do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO). A estimativa da renúncia fiscal com a mudança é de R$ 150 milhões. O crédito presumido previsto na Lei 9.826, de 1999, que incentivou os parques fabris automotivos do Centro-Oeste, é de 32% do IPI. No caso dos automóveis, o IPI varia de 2% a 8%, conforme a potência do motor.

— Seria uma quebra de isonomia tributária se o regime vigente para as indústrias do Centro-Oeste se encerasse em 31 de dezembro de 2020, enquanto os empreendimentos das regiões Norte e Nordeste tiveram seus benefícios assegurados até 31 de dezembro de 2025 — defendeu o deputado André de Paula no Plenário da Câmara.

Com informações da Agência Câmara

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/09/30/senado-analisa-mp-que-incentiva-setor-automotivo-no-centro-oeste-norte-e-nordeste.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

CCJ sabatina Kassio Nunes Marques, indicado para o STF — Senado Notícias

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) sabatina nesta quarta-feira (21) o desembargador Kassio Nunes …