Conciliação e mediação no 2º grau são regulamentadas no Tribunal de Rondônia

Apontadas como melhores soluções pacíficas para conflitos, a conciliação e mediação antes ou durante um processo judicial tem trazido benefícios para toda sociedade, como celeridade e economia processual por meio de um processo simples, informal validado pelo Judiciário. Para ampliar essa técnica, o Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) regulamentou a conciliação e mediação no segundo grau de jurisdição.

O ato conjunto nº 021/2020, assinado pela Presidência do TJRO, Corregedoria-Geral da Justiça e Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), institui o serviço de conciliação e mediação para os processos em trâmite no 2º grau de jurisdição. Na prática, ele estabelece que, mesmo com o processo já julgado em juízo de primeiro grau e havendo recurso ao Tribunal de Justiça, caso o desembargador relator sorteado para o processo vislumbre a possibilidade de acordo, poderá providenciar para que seja encaminhado ao Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc), para uma nova tentativa de conciliação.

Também pode ser solicitada por quaisquer das partes, mediante petição direcionada ao relator do recurso, advogados, defensores públicos e Ministério Público. Essas conciliações serão monitoradas pelo Nupemec, inclusive para o efeito de aperfeiçoamentos dos trabalhos a serem desenvolvidos pelas Cejuscs e divulgações de dados estatísticos.

A conciliação no 2º grau sempre foi uma possibilidade às partes, que podem solicitar audiência ao desembargador do caso. No entanto, o ato conjunto, como salienta o presidente do Nupemec, desembargador José Antonio Robles, representa avanço em termos de celeridade e economicidade em questões de conflitos jurisdicionais, porque “possibilita, novamente, a pedido dos sujeitos processuais, dentre eles o próprio relator do recurso, nova tentativa de conciliação, o que acaba por revelar que o Poder Judiciário está sempre buscando propiciar às partes a solução pacífica, que, além de mais rápida e melhor para todos os envolvidos, também impacta na redução de custos do processo”.

O ato é mais uma ação do TJRO para atender à Resolução nº 125/2010, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário, baseado em princípios da confidencialidade, imparcialidade, autonomia, respeito à ordem pública e às leis vigentes.

Fonte: TJRO

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/conciliacao-e-mediacao-no-2o-grau-sao-regulamentadas-no-tribunal-de-rondonia/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=conciliacao-e-mediacao-no-2o-grau-sao-regulamentadas-no-tribunal-de-rondonia.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Varas do Trabalho de Salvador (BA) retomam audiências presenciais a partir de 3/11

Todas as 39 Varas do Trabalho de Salvador (BA) entrarão na Fase Intermediária 1 de …