Ação conjunta promove aprendizagem na Justiça do Trabalho paulista

Com o objetivo de ampliar as oportunidades de inclusão de adolescentes em programas de aprendizagem e cursos de formação inicial continuada ou qualificação profissional no estado de São Paulo, quatro instituições se uniram e assinaram um termo de cooperação nessa quarta-feira (30/9). Participaram da assinatura representantes do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), do Ministério Público do Trabalho da 2ª Região (MPT de São Paulo), do Ministério Público do Trabalho da 15ª Região (MPT-Campinas), do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT2) e do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT15).

O encontro contou com a participação da juíza Patrícia Therezinha de Toledo, gestora regional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil, que representou a presidente do TRT2, desembargadora Rilma Aparecida Hemetério; da presidente do TRT15, desembargadora Gisela Moraes; do desembargador do TRT15 João Batista Martins Cesar, gestor nacional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem da Justiça do Trabalho; do subprocurador-geral de justiça de relações institucionais, Arnaldo Hossepian (que representou o procurador-geral de justiça, Mario Sarrubbo); do procurador-chefe do MPT de São Paulo, João Eduardo de Amorim; do procurador-chefe do MPT-Campinas, Dimas Moreira da Silva; do procurador do MPT-Campinas Ronaldo José de Lira; do secretário especial de tutela coletiva do MP-SP, Mário Malaquias; da promotora Renata Rivitti, assessora do Centro de Apoio Operacional Cível; entre outros convidados.

Para a juíza do TRT2 Patrícia Toledo, “o acordo interinstitucional mostra a união de forças para atacar um problema social muito grave no Brasil”. “Não tenho dúvida de que, com a pandemia, houve infelizmente um incremento no trabalho infantil”. A presidente do TRT15, Gisela Moraes, manifestou-se na mesma linha. “Cuidar de nossas crianças e adolescentes é mais que um dever.”

Para o secretário especial do MP-SP, Mário Malaquias, as instituições acertam ao decidir atuar em conjunto. “Daqui a um tempo, poderemos olhar para trás e ver que houve um trabalho efetivo.” “Estou feliz de participar de um momento tão caro para a sociedade brasileira. A magistratura do trabalho e o Ministério Público brasileiro se engajam nessa causa”, afirmou o subprocurador-geral, Arnaldo Hossepian.

Já o procurador-chefe do MPT de São Paulo, João Eduardo de Amorim, ressaltou que “a Constituição Federal assegura o princípio da proteção integral da criança e do adolescente”, o que exige das autoridades o combate ao trabalho infantil. O procurador Ronaldo José de Lira, falando em nome do MPT-Campinas, disse que é fundamental fazer esse tipo de cooperação: “Não podemos normalizar o trabalho infantil”.

Fonte: TRT2

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/acao-conjunta-promove-aprendizagem-na-justica-do-trabalho-paulista/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=acao-conjunta-promove-aprendizagem-na-justica-do-trabalho-paulista.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

CNJ apoia webinário do TJSP sobre 30 anos do ECA

As três décadas do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), aprovado pela Lei 8.069/1990, …