Pagamentos no orçamento para combate à pandemia superam 75%, diz consultoria — Senado Notícias

O orçamento criado neste ano para combater a pandemia de covid-19 acumulou até 2 de outubro quase R$ 587 bilhões em despesas autorizadas. Desse total, mais de R$ 441 bilhões (75,2%) foram pagos, segundo cálculos da Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados.

O chamado “Orçamento de Guerra”, aprovado pelo Congresso Nacional no começo da pandemia, possibilitou, entre outras medidas, a criação do auxílio emergencial de R$ 600, que começou a ser concedido em abril para pessoas em situação de vulnerabilidade. Dos cerca de R$ 254 bilhões destinados ao auxílio de R$ 600, 88% já chegaram a esse grupo.

Em setembro, o governo estendeu a concessão do auxílio emergencial até dezembro, mas com a metade do valor original, passando a ser de R$ 300. É o chamado auxílio emergencial residual. Seus pagamentos já começaram: dos quase R$ 67 bilhões reservados a essa finalidade, 19,7% já chegaram aos beneficiários.

Detalhamento

Segundo a Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados, outras quatro ações tiveram um percentual pago maior do que o do auxílio emergencial:

  • A isenção dada aos beneficiários da tarifa social de energia elétrica entre abril e junho (estabelecida pela Medida Provisória 950/20) consumiu todos os R$ 900 milhões reservados pelo governo. Com a medida, as famílias não precisaram pagar a conta de luz naquele período.
  • O financiamento da folha salarial das empresas consumiu todos os R$ 17 bilhões alocados para esse fim. Inicialmente, o governo havia aberto crédito extraordinário de R$ 34 bilhões (pela MP 943/20), mas essa linha acabou reduzida pela metade em meio a ajustes no socorro ao setor privado.
  • O auxílio financeiro aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios, no montante de quase R$ 60,2 bilhões, já foi praticamente todo quitado (a Lei Complementar 173/2020 compensa os entes federativos por perdas econômicas em razão da pandemia).
  • No caso das medidas de apoio a micro, pequenas e médias empresas, com valor autorizado de R$ 47,9 bilhões, foram pagos 89,6%. O objetivo dessas ações é prover recursos para capital de giro e quitação de salários nessas firmas, que são as que mais empregam no país.

Por outro lado, segue com execução “zerada” o auxílio às instituições de longa permanência para idosos (R$ 160 milhões): não houve ainda nenhum empenho e nenhum pagamento. Os recursos foram destinados ao Ministério da Mulher e ao Fundo Nacional do Idoso.

A Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados fez esses cálculos a partir de dados divulgados pelo Tesouro Nacional até a semana passada.

Comissão mista

Esses dados e informações deverão ser analisados agora pela comissão que acompanha a execução orçamentária e financeira das ações de combate à pandemia. A comissão foi criada pelo decreto legislativo que reconheceu o estado de calamidade pública no país.

O grupo é formado por seis deputados federais e seis senadores, com igual número de suplentes. O presidente da comissão é o senador Confúcio Moura (MDB-RO). A relatoria do colegiado está a cargo do deputado Francisco Jr. (PSD-GO).

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/10/05/pagamentos-no-orcamento-para-combate-a-pandemia-superam-75-diz-consultoria.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Congresso deve ter nova sessão para análise de vetos no dia 4 de novembro, informa Davi — Senado Notícias

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, informou que o Congresso deverá ter sessão dia 4 …