Senado aprova MP que prorroga incentivos para empresas automotivas do Norte, Nordeste e Centro-Oeste — Senado Notícias

Em sessão remota nesta terça-feira (6), o Plenário do Senado aprovou a medida provisória que prorrogou o prazo para que empresas automotivas instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste apresentem projetos de novos produtos e, assim, possam ser beneficiadas com crédito presumido do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A MP 987/2020 foi aprovada na forma do Projeto de Lei de Conversão (PLV) 40/2020, com 67 votos favoráveis e apenas quatro contrários, e agora segue para a sanção da Presidência da República. 

Pela MP, que está em vigor, a prorrogação vai até 31 de agosto. Mas o texto aprovado pelo Congresso, que depende da sanção presidencial, estende esse prazo. Na Câmara dos Deputados, o prazo foi estendido até 31 de outubro. O crédito presumido do IPI poderá ser utilizado para descontar o valor a pagar a título de Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) em vendas realizadas entre 1º de janeiro de 2021 e 31 de dezembro de 2025. Durante esse período, as montadoras precisam respeitar patamares mínimos de investimentos em inovação tecnológica, desenvolvimento e pesquisa.

O relator da matéria no Senado, Luiz do Carmo (MDB-GO), elogiou a MP e o aumento do prazo promovida pela Câmara dos Deputados. Ele disse que o objetivo dos incentivos é claro: atrair investimentos privados para estimular o desenvolvimento socioeconômico dessas regiões e reduzir as desigualdades regionais. O senador elogiou a iniciativa das quatro emendas que foram apresentadas no Senado, mas defendeu o texto na forma como veio da Câmara.

— Consideramos a MP meritória. Não temos dúvida de que a MP deve ser aprovada. Só em Goiás, são 35 mil empregos preservados – declarou o relator.  

 

Centro-Oeste

A MP não inclui a região Centro-Oeste na prorrogação da política de incentivo fiscal para montadoras e fabricantes de autopeças. O PLV 40/2020, no entanto, inclui a região, que aderiu majoritariamente ao regime. O texto exclui o Distrito Federal (que já não fazia parte dessa política). Como compensação da renúncia fiscal dessa inclusão, haverá cobrança do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, e Relativas a Títulos e Valores Mobiliários (IOF) sobre as operações de crédito realizadas no âmbito do Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO).

Destaques

O senador Lasier Martins (Podemos-RS) apresentou um destaque para incluir a parte sul do Rio Grande do Sul entre as regiões beneficiadas pela MP. Ele disse que a região tem poucas indústrias, poucos empregos e tem enfrentado um grande êxodo dos seus moradores, que buscam oportunidades em outros estados. Na mesma linha, o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) apresentou um destaque para beneficiar as montadoras do seu estado.

Diante dos apelos do relator e do líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), os destaques foram retirados por seus autores. Fernando Bezerra Coelho anunciou o compromisso de cobrar da Câmara a votação do projeto que cria a Região Integrada de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul (PLP 543/2018). O projeto é de autoria do senador Lasier Martins, teve o senador Paulo Paim (PT-RS) como relator, e busca promover o desenvolvimento da parte sul do estado gaúcho. A matéria foi aprovada no Senado no final de 2018.

Igualdade

O senador Marcos Rogério (DEM-RO), que presidiu a sessão, elogiou o relator pelo voto “conciso e substancioso”. O senador Esperidião Amin (PP-SC) fez questão de ressaltar que não é contrário aos subsídios, mas defendeu uma avaliação da relação custo-benefício desse tipo de desoneração. Ele, no entanto, manifestou apoio à MP, pois é um projeto “setorial e uma necessidade diante da pandemia”.

O senador Major Olimpio (PSL-SP) manifestou voto contrário, ao apontar que a MP “vai trazer um prejuízo enorme para todas as montadoras do Sul e do Sudeste”. Já o senador Ney Suassuna (Republicanos-PB) disse que a matéria é muito importante para o Norte, o Nordeste e o Centro-Oeste. O senador Rogério Carvalho (PT-SE) ressaltou que os incentivos são muito importantes para os estados menos favorecidos, como forma de buscar mais igualdade entre as regiões.

– Essa polarização entre os estados não é boa para o Brasil. As pessoas precisam entender que é preciso que a gente redistribua um pouco a riqueza que a gente tem. Precisamos superar essa questão bairrista – afirmou o senador.  

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) parabenizou o senador Luiz do Carmo pelo relatório, e destacou a inclusão da região Centro-Oeste entre as regiões beneficiadas. O senador Otto Alencar (PSD-BA) disse que as regiões Sul e Sudeste têm mais de 20 montadoras e o Nordeste e o Centro-Oeste têm apenas três. Daí a importância da MP. Ele ainda lamentou a “discriminação odiosa” que muitos brasileiros têm com seus irmãos do Nordeste. Os senadores Paulo Paim, Rose de Freitas (Podemos-ES) e Eduardo Braga (MDB-AM) também elogiaram o trabalho do relator e destacaram a importância da MP.

— Esta MP vem para manter a estruturação neste momento de pandemia, como forma de manter os empregos nessas regiões – declarou Eduardo Braga.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/10/06/senado-aprova-mp-que-prorroga-incentivos-para-empresas-automotivas-do-norte-nordeste-e-centro-oeste.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Sessão vai homenagear os médicos brasileiros na próxima segunda-feira — Senado Notícias

O Senado promove Sessão Especial remota na próxima segunda-feira (26), às 14h30, para homenagear os …