Grupo de trabalho quer modernizar recuperação judicial e falências

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instituiu grupo de trabalho para aprimorar os processos de recuperação judicial e falências, buscando a promoção da estabilidade e do ambiente de negócios para o desenvolvimento nacional, um dos eixos da gestão do presidente do CNJ, ministro Luiz Fux. “Queremos dar seguimento à ação iniciada em 2018 para modernizar, ampliar a efetividade e desburocratizar da atuação do Judiciário nesses processos”, explica o conselheiro Henrique Ávila, um dos participantes do grupo.

Instituído pela Portaria CNJ nº 199/2020 pelo prazo de um ano, o grupo de trabalho vai realizar estudos e diagnósticos sobre o marco institucional, buscando agilizar a tramitação dos processos com maior segurança jurídica e, consequentemente, melhores resultados. Propostas de formação e capacitação para magistrados e de formulação de normativos fazem parte do escopo de trabalho do grupo.

Além do conselheiro Henrique Ávila. o grupo de trabalho é formado pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Luis Felipe Salomão, que coordenará as atividades; pelo também ministro do STJ Paulo Dias de Moura Ribeiro; pelo ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Alexandre de Souza Agra Belmonte; pela desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) Mônica Maria Costa Di Piero; pelo desembargador do TJRJ Agostinho Teixeira de Almeida Filho; pelo desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) José Roberto Coutinho de Arruda; pelo juiz do TJSP Daniel Carnio Costa; e pelos advogados Luiz Roberto Ayoub, Flávio Antônio Esteves Galdino, Marcelo Vieira de Campos, Paulo Penalva Santos e Samantha Mendes Longo.

Aprimoramento

Normas recentes do CNJ já trouxeram aprimoramento para as recuperações judiciais e falências. A mais recente é a Recomendação 72/2020, que padroniza os relatórios apresentados pelo administrador judicial em processos de recuperação empresarial. Já a Recomendação 71/2020, também emitida em agosto, incentiva a conciliação, com a criação nos tribunais de Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania especializados, o Cejusc Empresarial.

E, no início da pandemia da Covid-19, em março, o CNJ publicou a Recomendação 63/2020, que indicou as medidas necessárias para reduzir o risco de contaminação pelo novo coronavírus e, ao mesmo tempo, poderem continuar sendo tramitadas e julgadas as ações de recuperação empresarial e falência.

Alex Rodrigues
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/grupo-de-trabalho-quer-modernizar-recuperacao-judicial-e-falencias/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=grupo-de-trabalho-quer-modernizar-recuperacao-judicial-e-falencias.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Tribunal de Justiça de Mato Grosso ganha Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), por meio da Coordenadoria de Comunicação, é …