Rejeitados recursos sobre suposto favorecimento da Rede Record a Jair Bolsonaro nas Eleições 2018 — Tribunal Superior Eleitoral

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou, por unanimidade, na sessão desta terça-feira (6), recursos (embargos de declaração) na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) que apurou a suposta utilização indevida de meios de comunicação em favor do então candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018.

A ação foi proposta pela coligação O Povo Feliz de Novo (PT/PCdoB/Pros), que teve Fernando Haddad como candidato, e apurou o suposto favorecimento aos então candidatos Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão na cobertura jornalística da TV Record e do portal R7. O TSE julgou a Aije improcedente e determinou o seu arquivamento em outubro de 2019.

Os embargos julgados hoje questionavam supostas omissões e contradições no acórdão do TSE. Relator da ação, o ministro Luis Felipe Salomão, corregedor-geral da Justiça Eleitoral, votou pela rejeição dos embargos, apontando que a interposição dos recursos pretendia modificar o julgamento da Aije.

Em seu voto, Salomão destacou que não identificou nenhuma das omissões ou contradições que teriam sido indicadas pelos embargantes no acórdão do TSE.

Acesse a íntegra do voto do ministro Luis Felipe Salomão.

RG/LC

Processo relacionado: Aije 0601969-65

Leia mais:

24/10/2019 – Arquivada ação que apontava favorecimento da TV Record a Jair Bolsonaro durante campanha

Fonte Oficial: http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2020/Outubro/rejeitados-embargos-de-declaracao-sobre-suposto-favorecimento-da-rede-record-a-jair-bolsonaro-nas-eleicoes-2018.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

já foram comprovadas fraudes na urna eletrônica? — Tribunal Superior Eleitoral

Já foram comprovadas fraudes na urna eletrônica? Não. Em 24 anos de existência, nunca foi …