“Todo mundo fala que é preciso que se valorize a mulher, mas não se adota providências para mudar isso”, diz ministra Cármen Lúcia – STF

Em participação na quarta edição do Marie Claire Power Trip Summit, nesta terça-feira (13), a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), falou sobre preconceito, violência e direito da mulher. O evento, promovido pela revista Marie Claire, se consolida como o maior encontro de liderança feminina do Brasil. “A mulher virou uma retórica. Todo mundo fala que é preciso que se valorize a mulher. Mas não se adota as providências para mudar isso”, disse.

Mulher na história

Em sua palestra, a ministra fez uma leitura da relação da mulher com a casa, no papel doméstico que lhe foi reservado historicamente; a mulher e a praça, no que diz respeito aos desafios políticos enfrentados pelas mulheres, e, por fim, a mulher na fábrica, quando apresentou sua visão a respeito da relação da mulher com o mercado de trabalho e a independência financeira.

Segundo a ministra, na história, sempre foi reservado à mulher um papel secundário, coadjuvante. “A mulher é lembrada não pelo que fez com o outro, pelo outro, na pólis, na política, na praça, mas como a musa, como um ideal, a personagem de um soneto”. O lugar reservado a ela foi delimitado, definido e definhado, não se ouvia a sua voz. “Na história, se construiu um espaço diminuto, eu diria engaiolado, para a mulher. O encaminhamento da ideia da mulher, não como ser político, nem era como ser, menos ainda como ser político, afirmou.

Violência

Quaisquer reações a esse modelo, segundo a ministra, eram e são, até os dias de hoje, punidas de forma extremamente graves, com preconceito, perda de direitos e violência física, psíquica e moral. “Dizem que as mulheres foram silenciosas. Mas não. Elas foram silenciadas. Pela sociedade, nas famílias, nos casamentos e as reações contra isso são relativamente recentes”.

Ela lembrou que durante a pandemia, quando houve uma maior permanência em casa, o nível de violência contra a mulher aumentou em quase 40%. “É preciso romper com as violências permanentes”.

Igualdade

Segundo a ministra, embora se reconheça evolução em relação à igualdade entre homens e mulheres, é necessária uma contínua mudança cultural, que, a seu ver, só será possível com ações afirmativas. “A mulher virou uma retórica. Todo mundo fala que é preciso que se valorize a mulher. Há um débito social, econômico, estatal com a mulher. Mas não se adota as providências para mudar isso”. Em grande parte, o acolhimento de discurso de igualdade entre os gêneros, disse, não é verdadeiro.

“É preciso vencer os medos, mudar os modos, mudar os mitos, mudar os mudos, e passar a ter voz, para contar o que foi, enfrentar o que precisa ser enfrentado e dar testemunho do que também queremos que se transforme na sociedade para ser mais justa e digna para todos”, ressaltou Cármen Lúcia.

SP/EH

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=453321.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Ministra Cármen Lúcia suspende retirada de postagem de Joice Hasselmann contra Roberto Requião – STF

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu, liminarmente, decisão dos Juizados Especiais …