Vigilante patrimonial ganha adicional de periculosidade mesmo sem perícia

Um vigilante de uma transportadora de valores de São Paulo conseguiu na Justiça do Trabalho o pagamento do adicional de periculosidade. A decisão é da Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que entendeu não ser necessária a produção de prova técnica, uma vez que o empregado trabalhava exposto ao risco. Entenda o caso com o repórter Daniel Vasques.

Processo: RR-2882-54.2014.5.02.0036

 

Confira outras notícias do Tribunal Superior do Trabalho em: http://www.tst.jus.br

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Revista destaca que mudança no cálculo de abono da ECT não é considerada lesiva

(0:57) No Revista desta semana, veja o porquê de o Detran-DF ter sido condenado a …