Tribunais se mobilizam no combate à violência de gênero para cumprir a Meta 9

Crimes em crescimento e recorrentes em todo país, o feminicídio e a violência contra a mulher é alvo dos planos e ação dos tribunais de Justiça de Rondônia (TJRO), Roraima (TJRR), Pará (TJPA), Sergipe (TJSE) e Alagoas (TJAL) como parte das ações voltadas ao cumprimento da Meta 9, especificamente ao ODS 5. Aprovada no XIII Encontro Nacional do Poder Judiciário, a meta tem como foco a realização de ações de prevenção ou desjudicialização de litígios voltadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Agenda 2030.

Em Rondônia e Roraima, o foco das ações se concentra na ampliação da parceria com a Polícia Militar dos respectivos estados para expandir as ações da Patrulha Maria da Penha. O TJRO criou ainda o programa “Maria Urgente”, cujo objetivo é garantir, por meio da tecnologia, maior eficácia às medidas protetivas de urgência.

O coordenador do “Maria Urgente”, juiz Álvaro Kalix Ferro, ressalta que parceria com a PM capacitou policiais para atuar com questões envolvendo violência de gênero. “Também incrementamos o sistema da polícia. No momento da ocorrência, o Formulário Nacional de Risco preenchido no local é encaminhado ao núcleo Maria da Penha da PM, que o processa por meio do Processo Judicial eletrônico (PJe). Em seguida, o documento chega ao juízo competente, no plantão ou por distribuição, que expede a medida protetiva”, explica. Tudo é processado via internet, o que, segundo ele, reduz o tempo entre a ocorrência e a apreciação da medida protetiva pelo Poder Judiciário.

A agilidade na expedição de medidas protetivas também é o foco da ação do TJRR no combate à violência de gênero. Somente em 2020, mais de 800 medidas protetivas de urgência foram expedidas em tempo recorde de apenas cinco horas pela Justiça local. Para cumprir o ODS 5, o tribunal atuou na expansão da Patrulha Maria da Penha para municípios de Mucajaí e Caracaraí e desenvolve projetos de capacitação de agentes comunitários de saúde dos municípios e da comarca de Boa Vista para multiplicarem ações de combate à violência doméstica. O TJRR também atua no projeto “Maria vai à Escola”, que conscientiza crianças do ensino fundamental a respeito da violência de gênero, e no “Grupo de Terapia Elas”, que dá apoio psicológico a mulheres vítimas de violência.

Educação

O TJPA, que em janeiro último possuía um acervo com 21,8 mil processos relativos a violência doméstica, aprimorou as ações para enfrentamento do problema. O plano de ação do tribunal inclui contribuições de magistrados e servidores que trabalham com o tema, em especial a Coordenadoria da Mulher. A educação também contemplada com realização de palestras sobre direitos da mulher em escolas, canteiros de obras, unidades da Marinha, supermercados, abrigos e supermercados.

Em parceria com a Secretaria de Segurança Pública, as ações da Patrulha Maria da Penha ganharam reforço em diversas comarcas. Também foram implantados os programas “SOS Mulher” que, por meio de um aplicativo, garante o controle do cumprimento de medidas protetivas, e o “Pará Paz Mulher”, um complexo de proteção à mulher que reúne Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e Instituto Médico Legal.

Já o TJSE está investindo na construção e estruturação da casa da Mulher Brasileira, para acolher vítimas de violência doméstica. Por meio da Coordenadoria da Mulher, o Judiciário local mobiliza representantes do demais poderes para a obtenção de terreno e recursos para a concretização do projeto.

O caminho escolhido pelo TJAL é o da conscientização sobre o problema. Na avaliação do presidente do tribunal, Tutmés Airan, são necessárias ações de conscientização e prevenção de conflitos. “É preciso fazer muito mais do que julgar processos, porque somente julgar processos não resolve”, afirma.

Segundo ele, é necessário investir em programas de Justiça Restaurativa para que o agressor se conscientize do mal que está fazendo e venha a assumir uma nova postura. O tribunal, em parceria com o Centro Universitário Tiradentes (Unit), também criou o Programa Filhos de Maria, que acolhe famílias em situação de violência doméstica para receberem acompanhamento médico especializado.

Triste realidade

O Brasil terminou o ano de 2019 com mais de um milhão de processos de violência doméstica e 5,1 mil processos de feminicídio em tramitação na Justiça. Nos casos de violência doméstica, houve aumento de quase 10%, com o recebimento de 563,7 mil novos processos. Os casos de feminicídio que chegaram ao Judiciário cresceram 5% em relação ao ano anterior.

Jeferson Melo
Agência CNJ de Notícias

 

 

 

 

 

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/tribunais-se-mobilizam-no-combate-a-violencia-de-genero-para-cumprir-a-meta-9/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=tribunais-se-mobilizam-no-combate-a-violencia-de-genero-para-cumprir-a-meta-9.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …