Violência contra a mulher é inaceitável, defende Fux

“Devemos rejeitar a tese machista do crime passional. A lógica perversa de que a mulher deu causa ao problema também deve ser abandonada, na medida em que revela um profundo machismo estrutural ainda existente numa sociedade digital, evoluída, contemporânea”, defendeu nessa segunda-feira (19/10) o presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luiz Fux. Ele participou da abertura do XII Fórum Nacional de Juízas e Juízes de Violência Doméstica contra a Mulher (Fonavid).

“É inaceitável a violência contra a mulher. Parafraseando Jean Paul Sartre, a violência, independentemente da maneira como ela se manifesta, por si só é uma derrota”, ressaltou Fux, que reforçou seu engajamento às ações de julgamento e punição de atos que vão de encontro à vida das mulheres brasileiras.

O ministro ressaltou que o primeiro eixo de sua gestão é a proteção dos direitos humanos, temática em que se insere a proteção às mulheres. Por isso, o CNJ já aprovou dois atos nos últimos dias que contribuem para o enfrentamento da violência doméstica e familiar. “Não podemos ouvir calados que o Brasil é o pior lugar para uma mulher viver. Temos o dever de modificar essa situação. Magistrados do Brasil, contem comigo nesta luta.”

A Resolução nº 346/2020 define que os oficiais de Justiça devem cumprir os mandados referentes a medidas protetivas de urgência em 48 horas. Além disso, também regulamenta as formas de comunicação com a vítima sobre atos processuais referentes ao autor da violência, especialmente sobre ingresso e saída da prisão.

Já a Recomendação nº 79/2020 destaca a necessária sensibilização e capacitação de juízes que trabalhem em unidades com competência para aplicar a Lei Maria da Penha. Os tribunais deverão promover, no prazo máximo de 120 dias, a qualificação em direitos fundamentais, com perspectiva de gênero.

Justiça pela Paz em Casa

A conselheira do CNJ Maria Cristiana Ziouva, coordenadora do Movimento Permanente de Combate à Violência Doméstica, agradeceu a oportunidade de coordenar as 17ª e 18ª edições da Semana Justiça pela Paz em Casa durante o encontro nacional. “Fazer a 17 e 18ª junto com vocês, do Fonavid, para que nós pudéssemos conversar com os juízes da violência durante o Fórum, tem sido muito importante.”

Ela destacou o desafio das equipes do Judiciário que atuam diariamente com a violência contra a mulher. “Tenho enorme admiração por todos que trabalham com essa chaga. Peço a vocês que tenham muita sensibilidade e coragem para lidar com essas mulheres e suas famílias, submetidas a tanta violência. Eu não tinha ideia do quanto era difícil atuar nessa matéria. Peço a todos – magistrados e equipes – que nunca desistam de trabalhar por um país melhor para todas nós.”

Pandemia

A jurista Flávia Piovesan, integrante da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (CIDH/OEA), afirmou que a pandemia do novo coronavírus ampliou a violência no continente, com recorte de gênero e raça. “A Covid-19 acentuou os desafios estruturais dos países. Há um impacto desproporcional da letalidade nos grupos e pessoas em vulnerabilidade. O vírus não é discriminatório, mas seu impacto o é.”

Flávia é uma das advogadas que levou o caso da bioquímica Maria da Penha, em 2002, à Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA. Essa batalha judicial colocou o país na situação de réu e obrigou o Brasil a modificar a legislação e punir o autor da violência contra Maria da Penha.

Para ela, os países precisam fortalecer as redes comunitárias, expandir os canais de denúncia e agir com criatividade e assertividade para promover mudanças culturais. “A violência e a discriminação se baseiam em relações assimétricas, construídas de maneira desigual. Precisamos exigir mudanças e elas passam pela educação, pela capacitação e sensibilização de agentes de segurança. Somos metade da população mundial. A outra metade, são nossos filhos.”

A jurista recomendou algumas ações para se enfrentar a pandemia da violência: dar visibilidade a essas violações, incorporar as perspectivas de gênero em todos os esforços de trabalho e educação e fomentar mudanças culturais paradigmáticas. “Nós, como sociedade, precisamos sentir total repúdio a essas violações.”

Mulher e juíza

A presidente do Fonavid, juíza Jacqueline Machado, lembrou situações comuns pelas quais as mulheres passam em suas vidas. “Ser mulher no Brasil é lidar com as dores do parto, sofrer violência obstétrica e ainda ouvir que licença maternidade é um privilégio. É ter sua eficiência cobrada no mesmo nível que os homens, mas ter dupla ou tripla jornada. É ser mais de 70% da força de trabalho do combate à Covid-19, mas não ser reconhecida como tal.”

Jacqueline ainda ressaltou que as violações de direitos das mulheres no país são crescentes. “Ser mulher no Brasil machuca, é difícil e é perigoso. Principalmente ser você for menina, pobre, negra, migrante, trans. Muitas ousaram dizer suas verdades e exigir sua liberdade. E estão mortas. Seus filhos estão órfãos. Ser mulher no Brasil é como estar em guerra civil permanente.”

Segundo ela, ser magistrado de violência doméstica em um dos países que mais viola direitos humanos é um desafio. “Ser juízes dessa área é contribuir para a promoção de vida das mulheres, é acreditar e ter empatia pelas dores físicas e da alma. É trabalhar em prol de uma casta de vulneráveis.  É gritar a voz das silenciada. É lidar com seus próprios medos e preconceitos. É desconstruir. É trabalhar de forma coletiva e engajada.”

A desembargadora Salete Silva Sommariva, presidente do Colégio dos Coordenadores das Coordenadorias de Violência Doméstica dos Tribunais de Justiça (Cocevid), e a presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Renata Gil, também participaram da abertura do encontro. Apenas no primeiro dia, o Fórum teve a participação de mais de 2 mil magistrados, especialistas e autoridades do Sistema de Justiça.

O Fonavid foi criado em 2009 e é um espaço de troca de experiências, orientações e diretrizes voltadas à aplicação da Lei Maria da Penha no âmbito do Sistema de Justiça. Um dos principais papeis do fórum está na uniformização de procedimentos e ações das varas especializadas em violência doméstica e familiar contra a mulher. O evento segue até sexta-feira (23/10) e vai contar ainda com palestras, debates e trocas de experiências. A maior parte da programação é aberta ao público.

Regina Bandeira
Agência CNJ de Notícias

Ouça o boletim na Rádio CNJ

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/violencia-contra-a-mulher-e-inaceitavel-defende-fux/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=violencia-contra-a-mulher-e-inaceitavel-defende-fux.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …