Rosa Weber destaca importância do debate sobre meio ambiente em audiência pública

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou, na sexta-feira (23/10) que a defesa do meio ambiente é um dos temas de maior relevância no debate público internacional na atualidade e traz questões de caráter humanitário, cultural e econômico, com abrangente impacto social e na estrutura constitucional brasileira. A ministra presidiu audiência pública para debater o funcionamento do Fundo Amazônia e a implementação de políticas públicas em matéria ambiental.

O tema está sendo analisado pela Corte na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 59, em que partidos de oposição apontam omissão inconstitucional da União quanto à suspensão do Fundo. A ministra Rosa Weber é a relatora da ação. Também participam da mesa virtual os ministros Luís Roberto Barroso e Edson Fachin.

Sociedade

A ministra destacou que as audiências públicas atuam como mecanismo legitimador das decisões constitucionais, ao aproximar o Supremo da sociedade e das demais instituições e dar oportunidade ao oferecimento dos dados necessários ao julgamento da matéria. “Esperamos ter em mãos, ao final, um conjunto fático-probatório para a melhor solução do problema constitucional posto.”

Ela observou que o Fundo Amazônia foi criado pelo Decreto Presidencial 6.527/2008, para a implementação das políticas públicas necessárias à tutela do meio ambiente do bioma amazônico. O principal doador é a Noruega, com aportes da Alemanha e, em escala reduzida, da Petrobras. Lembrou, ainda, a proteção contra o desmatamento e as mudanças climáticas é objeto de normas internacionais como o Protocolo de Kyoto (2005) e o Acordo de Paris (2016).

Patrimônio

Rosa Weber destacou que a Constituição Federal (parágrafo 4º do artigo 225) atribui expressamente à Floresta Amazônica o status de patrimônio nacional, a exigir tratamento legal que assegure condições de preservação do meio ambiente, inclusive quanto aos recursos naturais. Para a relatora da ADC, o objeto da ação evidencia a complexidade e a multipolaridade das questões discussão.

Segundo a ministra, é indispensável a compreensão da situação fática envolvida. Nesse sentido, disse que as informações colhidas na audiência pública sobre o Fundo do Clima (ADPF 708), realizada em setembro deste ano sob a orientação do ministro Luís Roberto Barroso, serão aproveitadas, em especial quanto às políticas direcionadas à mudança climática que envolvem a proteção das florestas tropicais e o combate ao desmatamento.

ADC 59

Na ADO, o PSB, o PSOL, o PT e a Rede alegam represamento, pela União, dos recursos disponibilizados pelo Fundo, em prejuízo das atividades de proteção da Floresta Amazônica, tendo em vista os aumentos vertiginosos de queimadas e desmatamentos na região. Eles argumentam que a reestruturação administrativa dos órgãos e agências ambientais conduzem a uma suposta ineficiência e à paralisação das atividades de fiscalização e controle e sustentam que há perseguição a ativistas ambientais.

Por isso, pedem o cumprimento dos deveres de proteção previstos na Constituição Federal, em especial quanto à preservação e restauração de processos ecológicos, com a promoção do manejo de ecossistemas, a definição dos espaços territoriais a serem especialmente protegidos, além da proteção da fauna e da flora.

Fonte: STF

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/rosa-weber-destaca-importancia-do-debate-sobre-meio-ambiente-em-audiencia-publica/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=rosa-weber-destaca-importancia-do-debate-sobre-meio-ambiente-em-audiencia-publica.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …