Gestão prisional e estigma contra egressos são temas de publicações

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promoveu nesta semana a terceira rodada de lançamentos de mais de 30 produtos de conhecimento na área penal, produzidos a partir de parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública por meio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). Na terça-feira (3/11), foram apresentadas publicações inéditas sobre arranjos institucionais e protocolos de políticas públicas em prisões, assim como síntese de evidências sobre estigmas sofridos por pessoas egressas do cárcere e seus familiares.

O Diagnóstico de Arranjos Institucionais e Proposta de Protocolos para Execução de Políticas Públicas em Prisões apresenta as dinâmicas de articulação entre os órgãos gestores das políticas penais nos estados e outros atores relevantes na operacionalização e gestão de atividades. O documento também traz recomendações para a melhoria dos arranjos institucionais existentes, com propostas para o Executivo e para o Judiciário.

Conheça o Diagnóstico de Arranjos Institucionais e Proposta de Protocolos para Execução de Políticas Públicas em Prisões

“Com base nas prescrições internacionais e em referências empíricas observadas no Brasil e em outros países, o documento propõe alternativas para que os Poderes Judiciário e Executivo encontrem soluções viáveis e tangíveis de enfrentamento das mazelas que fazem das prisões brasileiras ambientes de violência e de violação dos direitos”, destacou o juiz coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF/CNJ), Luís Lanfredi.

Segundo o coordenador do DMF, o material é uma ferramenta potente para o trabalho de magistrados, de gestores, de servidores penais e das organizações da sociedade civil interessados em enfrentar as condições atuais. “Valer-se dele, fazer uso de seus apontamentos, dos desenhos institucionais e das soluções que indica pode ser um caminho efetivo para colocar o Estado brasileiro atuando no sentido estrito do respeito aos direitos fundamentais das pessoas privadas de liberdade.”

O documento se divide em três partes: marcos conceituais para as políticas públicas em prisões; dados coletados em 26 unidades federativas e a análise dessas informações; além de propostas de aprimoramento e protocolos de atuação na área. “Os principais achados apontam para avanços em várias políticas, mas também para fragilidades em transformar o texto normativo em práticas efetivas da gestão prisional. Esse não é um problema só de gestão, mas da própria forma de conceber o funcionamento dessas unidades”, explicou o coordenador do eixo de Cidadania do programa Fazendo Justiça, Felipe Athayde.

Ao abordar modelos de administração prisional em diferentes países, a pesquisadora a pesquisadora Fiona Macaulay, professora no Departamento de Estudos pela Paz, na Universidade de Bradford, na Inglaterra, ressaltou a importância de se ter em perspectiva a experiência da pessoa presa, dos familiares e servidores desses estabelecimentos. “Nas últimas quatro décadas surgiram várias tentativas de medir a experiência prisional. Essa literatura nos dá pistas para entender como vincular a questão da gestão – quem administra e como – com as etapas que operacionalizam as finalidades desejadas do sistema.”

O professor Luiz Antônio Bogo Chies, da Universidade Católica de Pelotas (RS) e presidente do Conselho da Comunidade da Execução Penal da comarca, destacou que o documento elaborado pelo CNJ representa importante instrumento para direcionar a mudança do estado de coisas inconstitucional que caracteriza as prisões brasileiras e o papel do Judiciário em impulsionar essas medidas. “O desafio principal é o de gerar a intersetorialidade das políticas. A partir de iniciativas como a que está sendo lançada hoje, o Judiciário assume a importante tarefa de impulsionar a oferta de mecanismos para que os diversos atores possam se instrumentalizar e gerar respostas”.

Pessoas egressas

No período da tarde, houve o lançamento da publicação Síntese de Evidências: Enfrentando o Estigma contra Pessoas Egressas do Sistema Prisional e suas Famílias, elaborado pelo Instituto Veredas em parceria com o CNJ e apoio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz Brasília). O material reúne evidências de pesquisas globais e locais, avaliadas e organizadas para o enfrentamento do estigma contra grupos específicos. A proposta é subsidiar o diálogo sobre políticas relacionadas a pessoas egressas com gestores, trabalhadores, sociedade civil organizada e demais atores da área.

Conheça a publicação Enfrentando o Estigma contra Pessoas Egressas do Sistema Prisional e suas Famílias

“A publicação busca apoiar os gestores e os serviços a se engajarem no enfrentamento dessa desafiadora temática. Ela apresenta os efeitos das intervenções psicossociais de base comunitária, indicando facilitadores e barreiras de implementação e, também, as intervenções educativas que conduzem aos efeitos esperados, apresentando assim as iniciativas mais acertadas, que promovem melhores e maiores resultados”, pontuou o juiz coordenador do DMF/CNJ, Luís Lanfredi.

Diretora do Instituto Veredas, Laura Boeira falou sobre o processo de elaboração do estudo, que contou com a participação das equipes estaduais do Fazendo Justiça em Minas Gerais, Distrito Federal e Piauí. Foram realizadas entrevistas com pessoas egressas e seus familiares, assim como membros dos poderes Judiciário e Executivo. “A síntese é um material para informar as ações da vida real nas cidades. Esse público ainda é invisibilizado em diversos níveis da atenção à cidadania.”

Laura também apresentou cinco propostas de intervenção que tiveram eficácia na redução do estigma contra pessoas egressas e seus familiares: intervenções psicossociais de base comunitária junto a pessoas estigmatizadas e suas famílias; intervenções educativas; promoção de contato entre pessoas estigmatizadas e a população em geral; grupo de apoio para as pessoas egressas e suas famílias; e ações de comunicação sobre estigma em diferentes mídias.

A assessora de comunicação e pesquisa do Instituto Igarapé, Dandara Tinoco, também participou do webinário e apresentou resultados de estudos e campanhas promovidas pela entidade, que analisa temas relacionados à segurança e paz. Em pesquisa sobre inserção laboral de pessoas privadas de liberdade e egressas do sistema, verificou-se que o estigma esbarra em outros obstáculos e que a superação envolve medidas como mostrar o impacto do estigma sobre as relações sociais e familiares ou colocar em evidência histórias positivas e apoio a serviços e empresas que buscam atuar na área. “As propostas apresentadas pelo documento lançado pelo CNJ são concretas e dão materialidade ao tema.”

É o que também pontuou a assistente social da Defensoria Pública de São Paulo, com atuação no DMF/CNJ, Melina Miranda, que mediou o webinário. “Muito importante pensarmos em caminhos, baseados em evidências, para o enfrentamento ao peso do estigma e de seus efeitos, que constituem verdadeiras barreiras à ressocialização.”

Agenda

Na próxima terça-feira (10/11), haverá a penúltima agenda de lançamentos do Fazendo Justiça. A partir das 10h, o canal do CNJ no YouTube transmitirá ao vivo o lançamento do Manual de Prevenção e Combate à Tortura e Maus-tratos na Audiência de Custódia.

A partir das 15h30, o webinário Manuais, Informativos e Guias: Gestão Prisional, Alternativas Penais, Monitoração Eletrônica e Atenção a Pessoas Egressas trará um apanhado de novas publicações originalmente lançadas pelo Departamento Penitenciário Nacional.

Iuri Tôrres e Marília Mundim
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/gestao-prisional-e-estigma-contra-egressos-sao-temas-de-publicacoes/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=gestao-prisional-e-estigma-contra-egressos-sao-temas-de-publicacoes.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça do Trabalho da 15ª Região promove esforços concentrados pela conciliação

Aderindo ao Mês Nacional de Conciliação, promovido pela Justiça do Trabalho, e à Semana Nacional …