Mercado imobiliário precisa de boas regras e previsibilidade, afirma presidente do STJ – STJ

​O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Conselho da Justiça Federal (CJF), ministro Humberto Martins, ao participar nessa terça-feira (17) da abertura do seminário Fazendo Direito no Mercado Imobiliário, afirmou que o setor depende da previsibilidade das decisões judiciais e da garantia de segurança jurídica.

O seminário é promovido pela Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Alagoas (Ademi-AL), em associação com o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AL) e o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon).

“A verdade é que o Poder Judiciário exerce um papel central na sinalização dos agentes econômicos. A regra de ouro para o investimento é a previsibilidade das decisões judiciais de cunho econômico e a garantia da segurança jurídica. O mercado precifica o investimento de acordo com a qualidade das regras jurídicas”, afirmou o ministro em sua palestra.

Segundo ele, nesse contexto, as atenções ficam voltadas não só para as decisões judiciais, mas para os efeitos econômicos dessas decisões e a formação de precedentes que contribuam com a segurança jurídica necessária ao bom funcionamento do setor.

“A ausência de regras jurídicas definidas afasta totalmente o investimento, raciocínio que também se aplica às regras econômicas que direcionam os investimentos no setor imobiliário”, declarou.

Esforço de m​​uitos

O presidente do STJ citou números “impressionantes” de processos em tramitação no Brasil e destacou o esforço dos mais de 18 mil magistrados para dar vazão a uma demanda que chegou a 112 milhões de casos em tramitação no final de 2019.

O julgamento de 35 milhões de processos no ano passado, segundo o ministro, demonstra o empenho do Judiciário para atender aos anseios da população. Ele defendeu o uso de meios alternativos de solução de conflitos – inclusive os do mercado imobiliário – para desafogar o sistema.

“É preciso pensar em meios mais eficientes de utilizar os recursos existentes, sem que com isso estejamos limitando o acesso à Justiça, principalmente para os mais pobres”, afirmou.

Decisões previ​​síveis

Humberto Martins disse que compete ao Judiciário zelar pela segurança e previsibilidade de suas decisões, o que contribuirá para o fortalecimento da sociedade, das relações econômicas e da integridade do sistema estatal de Justiça. Além disso – destacou –, cabe aos tribunais estimular a mediação e a conciliação para evitar a judicialização excessiva.

A introdução à palestra foi feita pelo desembargador do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) Cid Marconi Gurgel de Souza.

Participaram da abertura do evento o atual e o próximo presidentes do TJAL, desembargadores Tutmés Airan e Klever Loureiro; o chefe do Gabinete Civil do governo de Alagoas, Fábio Farias; o presidente e o vice-presidente da Ademi, Jubson Uchôa e Luiz Henrique Fernandes Coelho, e outras autoridades do Judiciário estadual e empresários da construção civil.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/CDM42wCLLB4/18112020-Mercado-imobiliario-precisa-de-boas-regras-e-previsibilidade–afirma-presidente-do-STJ.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Ministro nega habeas corpus para suspender decreto que impõe toque de recolher na Bahia – STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Sebastião Reis Júnior negou o habeas corpus …