Ministro Humberto Martins afirma que pandemia é momento para ressignificar as instituições do país – STJ

​Para o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, a pandemia da Covid-19 coloca em questão o modelo das principais instituições do país. “Qual a resposta institucional em um momento em que toda a realidade, todos os modelos, foram acentuadamente tensionados?”, questionou o ministro.

O presidente do STJ proferiu palestra no encerramento do VII Encontro Nacional dos Tribunais de Contas – O Tribunal de Contas contemporâneo e o mundo pós-pandemia: mudanças no controle externo e interação com a sociedade, evento realizado pela Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon).

Humberto Martins afirmou que a pandemia é um momento de ressignificação do serviço público. Ele traçou um histórico de importantes leis para as contas públicas nacionais, como a Lei 4.320/1964 e a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF – Lei Complementar 101/2000), destacando que o Brasil tem maturidade para elaborar boas normas na área das finanças públicas.

Regime extrao​rdinário

“Contudo, essas duas leis – e outras sobre esse mesmo assunto – não respondem a esses dias de exceção. Outro norte jurídico nos foi estabelecido: de urgência. A principal referência desse sistema de exceção nos chegou com a Emenda Constitucional 106/2020, instituindo um regime extraordinário fiscal, financeiro e de contratações, chamado orçamento de guerra, dando os meios e a segurança jurídica necessários aos gestores públicos na condução de políticas públicas nesses excepcionais tempos”, declarou o ministro.

Ele ressaltou que o Supremo Tribunal Federal (STF) agiu rapidamente e afastou, durante a pandemia, a vigência de artigos da LRF e da Lei de Diretrizes Orçamentárias. Na visão do ministro, o Congresso Nacional também buscou dar respostas sem demora para a crise.

“Essa rápida resposta institucional, vinda do STF e do parlamento, merece nossos louvores. Transmite-nos vitalidade e lucidez. E, ademais, valiosa pedagogia: os gestores públicos estão a atuar sob a pressão imediata dos fatos; qualquer análise posterior, bem posterior, a ser realizada pelos órgãos de controle ou pelo Judiciário, instrumentalizados com mais dados, em atmosfera isenta de pressão, não se autorize a deixar de considerar a diferença entre esses dois contextos, na ilusão de que o realizado então pelo gestor é conduta censurável”, comentou.

Estado for​​te

O presidente do STJ destacou o papel do Estado como agente indutor das repostas necessárias em tempos de crise como a provocada pela Covid-19.

“O Estado, somente ele, para reagir e responder a esse raio de desafio na figura nefasta da pandemia. E pandemias outras e desafios outros que também escapem às nossas previsões chegarão. Quando? Não se sabe. O Estado, a única instituição presente, coordenando as respostas, as urgências” – afirmou Martins, ao reforçar o papel do governo como instrumento civilizatório.

Entre as instituições do Estado responsáveis por conduzir o país em meio à crise, o ministro saudou a atuação do Tribunal de Contas da União (TCU), que elaborou um plano de acompanhamento de ações de combate à Covid-19 e tem trabalhado em sintonia com o Ministério da Saúde, demonstrando com atitudes claras a parceria necessária entre os órgãos estatais.

Leia a íntegra da palestra.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/sYR0wQG4Io0/20112020-Ministro-Humberto-Martins-afirma-que-pandemia-e-momento-para-ressignificar-as-instituicoes-do-pais.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

MomentoArquivo relembra caso que pôs em pauta a responsabilidade por propaganda enganosa em TV – STJ

​A 20ª edição do MomentoArquivo – “Publicidade de Palco – De quem é a responsabilidade …