Senado lança nova versão do livro “A Abolição no Parlamento” — Senado Notícias

Racismo em Pauta.pngO Senado promoveu, nesta sexta-feira (20), o lançamento digital do livro A Abolição no Parlamento (1823-1888) – 65 anos de Lutas. O lançamento faz parte das celebrações do Dia da Consciência Negra, comemorado no dia 20 de novembro — a data foi escolhida em homenagem ao líder negro Zumbi dos Palmares (1655-1695). O evento de apresentação da obra digital ocorreu com um debate no programa Cidadania, da TV Senado, que contou com as participações do senador Paulo Paim (PT-RS) e da professora Ângela Alonso, do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP).

A professora Ângela Alonso ressaltou que a abolição é um tema sempre presente na história do Brasil, foi o país foi construído sobre a escravidão. Ela apontou, no entanto, que o assunto sempre foi adiado quando chegava ao Parlamento. Algumas pautas, como a proibição do tráfico negreiro, eram tratadas de forma secreta. Segundo a professora, o tema era evitado porque a escravidão era uma questão central na sociedade brasileira — pois sustentava a economia nacional.

— Não virava uma agenda efetiva. Só depois, na década de 1860, o assunto se tornou inevitável, pois o Brasil havia se tornado a última nação escravista do mundo. Sempre foi um tema difícil porque metade do Parlamento era escravista, assim como a maioria da sociedade brasileira — destacou Ângela.  

Para o senador Paulo Paim, o debate sobre a posição parlamentar histórica acerca do racismo é importante, pois “o povo que não conhece o passado não avança no presente e não consegue projetar seu futuro”. Na opinião de Paim, o racismo brasileiro é pior do que o dos Estados Unidos, pois naquele país, “pelo menos, eles assumiram” que há racismo. Ele celebrou o fato de os estadunidenses já terem tido um presidente negro, Barack Obama (2009-2017), e de terem acabado de eleger Joe Biden, que tem como vice-presidente uma negra, Kamala Harris.

Leis

O jornalista Maurício Melo, que intermediou o debate no programa Cidadania, lembrou que algumas leis aprovadas contra a escravidão funcionavam, na verdade, como um paliativo. Ele citou a Lei do Ventre Livre (1871), que libertava os filhos das escravas, e a Lei do Sexagenário (1885), que libertava escravos aos 60 anos.

Na mesma linha de raciocínio, a professora Ângela Alonso disse que essas leis não foram pensadas como leis de aplicação efetiva. Segundo a professora, havia um prazo de oito anos para a Lei do Ventre Livre entrar em vigor. Além disso, o escravo ficava sob a responsabilidade de seu senhor até os 21 anos. Na prática, os filhos da Lei do Ventre Livre só se tornaram livres com a Lei da Abolição da Escravatura, em 1888. Ângela ainda lembrou que, originalmente, a Lei da Abolição previa compensações para os escravos, como salário mínimo e incentivo a pequenas propriedades rurais.

— Foi aprovada de uma forma simples e singela, sem dizer quem iria fiscalizar e o que iria acontecer com o ex-escravos. O Brasil tem a tradição de produzir leis, mas com um movimento da sociedade que impede sua aplicação — alertou a professora.

Paulo Paim lamentou o fato de muitas leis a favor da igualdade racial demorarem tanto para serem aprovadas no Congresso Nacional. Ele disse que lutou desde a Assembleia Constituinte (1988) para aprovar uma lei que tratasse das questões raciais, mas que foi somente em 2010 que o Estatuto da Igualdade Racial se tornou lei (Lei 12.288, de 2010). Paim, que é o autor do projeto que deu origem ao estatuto, afirmou que “não é possível que o Brasil ainda viva um apartheid”.

— Eu quero construir caminhos, inspirado em Martin Luther King e Mandela, que sonhavam que brancos e negros sentassem à mesma mesa e dividissem o mesmo pão — declarou o senador.

Carrefour

De acordo com a professora Ângela, é importante ressaltar que o debate sobre a escravidão precisa lembrar a existência dos escravistas, da mesma forma como o debate sobre o racismo não pode prescindir da existência dos racistas. Ela lamentou a morte de João Alberto Freitas, um homem negro de 40 anos, que foi espancado por seguranças de um supermercado da rede Carrefour em Porto Alegre (RS) nesta quinta-feira (19). Segundo a professora, é preciso identificar os agentes do racismo nessa e em outras situações.

Paim também lamentou mais um caso de racismo envolvendo o Carrefour e anunciou que vai apresentar um convite para que representantes da rede expliquem as ocorrências. Ele classificou a atuação dos seguranças como uma “covardia”, e disse que todos ainda precisam “trabalhar muito” para vencer o racismo. O senador defendeu as cotas raciais, como “um meio, e não como um fim”, como forma de vencer o preconceito racial e permitir que mais negros se posicionem no mercado de trabalho.

A obra

O livro A Abolição no Parlamento está disponível para download gratuito no site da Livraria do Senado. Dividido em dois volumes, com 1.420 páginas, o livro apresenta um sumário cronológico dos eventos que desencadearam a abolição da escravidão no Brasil. São apresentados na obra as fases mais importantes do processo, o ideário favorável e o contrário à escravidão, textos relacionados, debates e pronunciamentos dos personagens à época. A edição impressa pode ser encomendada pelo preço de R$ 40.

A diretora-geral do Senado, Ilana Trombka, lembra que a primeira edição foi publicada em 1988, em comemoração ao centenário da Abolição. A segunda saiu em 2012, já adaptada ao novo acordo ortográfico. Esta terceira edição, segundo Ilana, surge em um momento em que a sociedade brasileira questiona a ideia tão arraigada de que o Brasil é uma democracia racial.

Ilana pondera que, infelizmente, a igualdade legal ainda não se manifesta na realidade. Ela ainda registra, no prefácio da obra digital, que “o racismo ainda se faz presente em nosso tecido social e a sua erradicação exige uma ação conjunta, coordenada e consciente de toda a sociedade”.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/11/20/senado-lanca-nova-versao-do-livro-201ca-abolicao-no-parlamento201d.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Projeto libera uso do Fundo de Aviação em desapropriações para ampliar aeroportos — Senado Notícias

Os recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil poderão ser utilizados para cobrir custos de …