Corrupção é câncer social que acaba com a esperança das pessoas, diz presidente do STJ – STJ

​”A corrupção no Brasil afeta diretamente o bem-estar dos cidadãos porque diminui os investimentos públicos na saúde, educação, infraestrutura, segurança, habitação e em outros direitos essenciais à vida”, declarou nesta quarta-feira (9) o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Conselho da Justiça Federal (CJF), ministro Humberto Martins, na abertura do webinário 7 Anos da Lei Anticorrupção. O evento virtual foi promovido pela Ordem dos Advogados do Brasil no Distrito Federal (OAB/DF) no Dia Internacional contra a Corrupção.

O presidente do STJ afirmou que o principal avanço da Lei Anticorrupção (Lei 12.846/2013) foi a previsão legal dos mecanismos de compliance no setor privado. De acordo com o ministro, a adoção interna de códigos de conduta e programas de conformidade ética e jurídica previne de maneira eficaz a prática de ilícitos por empresas e instituições.

“A política de compliance tem a função de proporcionar segurança por meio da garantia do cumprimento de atos, regimentos, normas e leis estabelecidos interna e externamente para a regular atuação dessas pessoas jurídicas, especialmente, em suas relações com o Estado e os seus agentes”, resumiu.

Lavagem de din​​​heiro

O presidente do STJ também destacou a edição do Provimento 88/2019 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Editada durante a gestão de Humberto Martins como corregedor nacional de Justiça, a norma do CNJ prevê que as movimentações suspeitas de lavagem de dinheiro realizadas em cartórios sejam comunicadas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O objetivo é auxiliar as investigações da polícia e do Ministério Público.

“A edição desse ato pela Corregedoria Nacional de Justiça coloca os cartórios brasileiros como a principal atividade não financeira colaboradora na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro no país – servindo, inclusive, de modelo para outros países”, ressaltou.

Combate dentro da l​​ei

Martins ainda chamou a atenção para a extensão do arcabouço normativo brasileiro contra a corrupção e o empenho de todos os atores do sistema de Justiça para combater desvios, fraudes e irregularidades. Segundo Martins, o enfrentamento à corrupção deve ser rigoroso e, ao mesmo tempo, respeitar os direitos fundamentais do cidadão.

“Ninguém poderá ser condenado sem direito à ampla defesa. É preciso respeito ao princípio constitucional da dignidade da pessoa humana. Até o preso e o condenado têm de ser respeitados. Todos são iguais em relação à própria dignidade”, concluiu.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/6fHGQCqTAN0/09122020-Corrupcao-e-cancer-social-que-acaba-com-a-esperanca-das-pessoas–diz-presidente-do-STJ.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Ministro nega habeas corpus para suspender decreto que impõe toque de recolher na Bahia – STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Sebastião Reis Júnior negou o habeas corpus …