Fim de imposto para importação de armas divide senadores — Senado Notícias

A isenção de impostos para importação de armas editada pelo governo em meio às discussões sobre um plano de vacinação contra a covid-19 dividiu senadores. A medida, que deve vigorar a partir de 1º de janeiro, está prevista em uma resolução publicada pelo Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior no Diário Oficial da União de quarta-feira (9).

Na resolução, o governo inclui “revólveres e pistolas” no anexo que descreve produtos e alíquotas aplicadas no âmbito do Mercosul. No caso dessas armas, não será cobrada a alíquota do imposto. Segundo o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), a isenção atende a um anseio da população brasileira.

— Considero ser uma necessidade da população brasileira que quer o direto de possuir uma boa arma para defesa de sua vida, de sua família e de sua propriedade. Essa pauta foi vencedora nas últimas eleições, quem quer subverter a vontade popular está desrespeitando a democracia. O direito à vida é inegociável! — disse o senador à Agência Senado.

O senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) e a senadora Zenaide Maia (PROS-RN) questionaram a decisão do governo na sessão deliberativa remota desta quarta-feira (9). Segundo Oriovisto, a medida vai prejudicar a indústria nacional.

— A consequência imediata disso é que é a maior fabricante dessas armas do Brasil, a Taurus, que emprega duas mil pessoas diretamente e mais de cinco mil indiretamente, já disse que vai direcionar todos os seus investimentos — ela tinha previsto a uma nova fábrica aqui no Brasil — para fábricas no exterior, nos Estados Unidos e na Índia, ou seja, eu não consigo entender isto: vai ser muito mais barato importar uma arma fabricada pela Taurus nos Estados Unidos ou na Índia do que tê-la aqui no nosso país. Parece que o governo Bolsonaro é a favor de que a população se arme, mas é contra as indústrias de armas estabelecidas em nosso país — lamentou Oriovisto.

A senadora Zenaide afirmou que a decisão de zerar a alíquota coloca o governo em contradição:

— O governo fala sobre as dificuldades financeiras, mas isenta quem produz armas no exterior para importar sem pagar impostos, zerar impostos. Isso é a maior contradição — apontou.

Segundo o senador Jean Paul Prates (PT-RN), a prioridade do governo deveria ser o combate à pandemia e não facilitar o acesso a armas de fogo. 

Com a população ansiosa por um plano de vacinação que o governo não consegue apresentar, é um acinte que Bolsonaro se dedique a editar medidas que facilitem ainda mais o acesso às armas de fogo. O imposto de importação de revólveres e pistolas é de 20%, mas o governo zerou essa taxação, valendo a partir de 1º de janeiro. É mais morte nas ruas. Sobre a vacinação contra covid-19, nem uma palavra”, criticou por meio de sua conta em uma rede social. 

Líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (PT-SE) também criticou a resolução no Twitter:

O número de mortes lembra uma guerra. A batalha é da humanidade contra o vírus. Mas o governo federal não entendeu que a arma que precisa ser importada é a vacina. Enquanto isso, no Brasil, sofremos com mais e mais vidas perdidas”, avaliou.

A publicação dessa resolução foi comentada pelo presidente Jair Bolsonaro, via redes sociais. Ele escreveu que medidas também zeraram o imposto de importação de 509 produtos usados no combate à covid-19.

A Camex editou resolução zerando a alíquota do Imposto de Importação de Armas (revólveres e pistolas). A medida entra em vigor no dia 1º de janeiro de 2021”, afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/12/10/fim-de-imposto-para-importacao-de-armas-divide-senadores.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Publicação do Congresso oferece glossário sobre termos orçamentários — Senado Notícias

O Glossário de Termos Orçamentários, publicado em conjunto pela Câmara dos Deputados e pelo Senado, apresenta …