Grande parte dos eleitores que deixaram de votar alegaram medo da covid-19, aponta DataSenado — Senado Notícias

Pesquisa nacional feita pelo Instituto DataSenado entre o fim de novembro e o início de dezembro revelou que 40% dos cidadãos que deixaram de exercer o direito de voto nas eleições municipais de 2020 o fizeram por medo do novo coronavírus. Segundo a inquirição, 80% dos eleitores entrevistados votaram, e dos 20% que não compareceram às urnas, 59% não tiveram os motivos detalhados e 1% não quis responder.

Do grupo que confirmou ter participado do sufrágio, 52% disseram ter se sentido muito seguros na hora de votar; 30%, pouco seguros; e 16% responderam que não se sentiram nada seguros.

O número de abstenções registrado na pesquisa (20%) diverge um pouco do índice detectado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de 23,1% no primeiro turno e 29,5% no segundo. A variação está dentro da margem de erro da pesquisa DataSenado (4% para mais ou para menos), mas a coordenadora da instituição, Laura Nascimento, também aponta outras razões.

— São dois os principais motivos que podem causar essa divergência na estimativa pontual para menos. Os dados do TSE podem superestimar o não comparecimento pela falta de informação de óbitos e também pelos brasileiros que saem do país e não são acessíveis para nossa análise. E em pesquisas, pessoas podem dizer que foram votar sem de fato terem ido, pela questão da desejabilidade social e com medo de estarem sendo fiscalizadas — afirmou, em entrevista à Agência Senado.

Dados

A mesma pergunta da pesquisa (Você votou nas eleições?) foi feita em 2016, quando 82% dos entrevistados afirmaram ter votado, e em 2018, com resposta positiva de 85% dos cidadãos ouvidos.

Esse percentual converge com a pesquisa feita em julho pelo DataSenado, quando percentual similar de participantes respondeu que pretendia votar nas eleições municipais deste ano: 81% disseram que votariam, 15% não votariam e 3% não souberam ou não quiseram responder.

O DataSenado avaliou a opinião de 2.400 pessoas de 16 anos ou mais, entre os dias 24 de novembro e 3 de dezembro, em amostra representativa da opinião da população brasileira. A pesquisa foi feita por telefone e ouviu cidadãos de todas as regiões brasileiras, em especial do Sudeste (43%) e do Nordeste (26%).

Veja o inteiro teor da pesquisa aqui.

TSE

No balanço após o segundo turno, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, divulgou a abstenção do primeiro turno (23,14%) e do segundo (29,5%) e registrou que os índices foram os maiores verificados nas últimas décadas. Números bem superiores aos processos eleitorais mais recentes (2018, 2016 e 2014), quando o índice ficou em torno de 21%, e aos verificados nos demais pleitos para prefeitos e vereadores em 2012 (19,12%), 2008 (18,09%), 2004 (17,3%), 2000 (16,2%) e 1996 (19,99%). Ainda assim, Barroso interpretou que o índice de comparecimento em 2020 deve ser celebrado.

— Quando iniciou-se o processo eleitoral, temia-se uma abstenção colossal devido à pandemia, e não foi o que ocorreu. Fizemos o processo eleitoral dentro das mais rigorosas diretrizes de segurança sanitária, e as pessoas compareceram — reiterou, na coletiva após o encerramento da apuração, no dia 29 de novembro.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/12/10/grande-parte-dos-eleitores-que-deixaram-de-votar-alegaram-medo-da-covid-19-aponta-datasenado.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senado vota exigência de representação feminina no Colégio de Líderes na terça — Senado Notícias

Na semana de celebrações pelo Dia da Mulher, o Senado vai analisar um projeto que …