Guedes afirma em comissão da covid-19 que não faltarão recursos para vacina — Senado Notícias

A comissão mista destinada a acompanhar a execução orçamentária do governo no combate à covid-19 se reuniu, de forma remota, na tarde desta sexta-feira (11), para ouvir o ministro da Economia, Paulo Guedes. Depois de um discurso em que apresentou vários números da economia, o ministro respondeu uma série de perguntas de deputados e senadores.

O relator da comissão, deputado Francisco Júnior (PSD-GO), pediu uma avaliação do ministro sobre as ações do governo federal no combate aos efeitos da pandemia do coronavírus. Ele ainda questionou as medidas que o Ministério da Economia pretende adotar para o período pós-pandemia.

Em resposta, Guedes admitiu que é difícil fazer uma autoavaliação, mas disse que a centralização de várias ações no Ministério da Economia permitiu uma agilidade maior do governo nas respostas à crise da covid-19. Ele afirmou que o Brasil não perdeu empregos formais, já que a perda foi recuperada com a criação de outros empregos. Em outubro, informou o ministro, foram criados quase 400 mil empregos. Na opinião de Guedes, outro acerto foi o auxílio emergencial.

— O valor de 600 reais deu um empurrão na economia, embora com um fôlego menor. Agora, vai acabar o auxílio, mas economia está voltando em ‘V’ — declarou o ministro, que ainda pediu a construção de um clima de união e paz no país.

Na visão de Guedes, os gastos do governo não vão salvar o país no pós-pandemia. Ele disse que o gasto público não pode ser visto como uma solução. Segundo o ministro, o controle dos gastos previdenciários e do serviço público podem ajudar no equilíbrio das contas. Guedes definiu a indexação como “burrice” e “erro”. Ele ainda apontou novos marcos regulatórios e avanços no pacto federativo, além de incrementos em programas sociais, como medidas importantes para o país, a partir do fim da pandemia.

Auxílio e vacina

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) defendeu mais atenção do governo com as pequenas e micro empresas, responsáveis por mais de 90% dos empregos no país. Izalci quis saber do ministro quais os efeitos esperados sobre a atividade econômica com o fim do auxílio emergencial. Na mesma linha, o deputado Felício Laterça (PSL-RJ) também quis saber quais ações o governo pretende tomar em atenção às parcelas mais vulneráveis da população.

O senador Esperidião Amin (PP-SC) destacou a atuação do Ministério da Economia e do Banco Central durante a pandemia. Ele ponderou, no entanto, que “a pandemia não acabou ainda”, e pediu uma definição do governo sobre o auxílio emergencial e outras medidas de incentivo à economia. Amin ainda apontou que o governo precisa dar prioridade à vacina contra a covid-19.

De acordo com Paulo Guedes, a vacinação em massa ajudaria em uma retomada sustentável a partir do ano que vem. Ele disse que o governo sabe que a questão é importante e afirmou que não será por falta de recursos que o país não terá vacina. O ministro calculou que 200 milhões de doses custariam cerca de US$ 4 bilhões. Guedes reconheceu que a inflação está mais alta que o previsto, mas minimizou o efeito do índice de pouco mais de 4%, previsto para 2020.

O ministro aproveitou para cobrar o andamento de matérias no Congresso Nacional, como a independência do Banco Central, a reforma administrativa e as medidas para um novo pacto federativo. Ele disse que a prioridade do governo é controlar os gastos, pois “nós não somos social-democratas”. Sem entrar em detalhes, Guedes registrou que a “suavização do auxílio emergencial” terá uma resposta com o Bolsa Família. Ele ainda afirmou que o governo pretende implantar uma pauta de privatização e concluir os estudos sobre um programa de renda básica. O ministro também negou aumento da carga tributária.

— O governo é liberal e conservador. Não vamos fazer pacto com a esquerda para aumentar impostos. Precisamos é de uma reforma tributária — declarou o ministro.

Em resposta, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) afirmou que a social-democracia acabou com a inflação crônica do país, com a implantação do Plano Real, durante o governo do presidente Itamar Franco (1992-1994). Na visão de Tasso, o auxílio emergencial foi essencial para o socorro à população mais vulnerável e para a manutenção da atividade econômica do país. Ele também cobrou a atenção do governo com a vacina contra a covid-19.

Investimentos

A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) questionou se somente com reformas e ajustes ficais, sem o investimento estatal, será possível sair da crise econômica. Ela ainda criticou a isenção na importação de armas e o incentivo fiscal na produção de agrotóxicos. O deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE) disse que o teto de gastos no Brasil é um “absurdo”, pois “corta investimentos para aumentar despesa corrente”, como os salários. Para o deputado, o país precisa de um teto real, que seja eficiente. Ele ainda cobrou investimento público com qualidade e alívio sobre os mais pobres.

Guedes admitiu que a confirmação de uma segunda onda da pandemia pode obrigar novas ações do governo. Segundo o ministro, o controle de gastos ocorre devido a outros governos terem gastados demais. Daí, a dificuldade de o Executivo aprofundar um plano de investimentos públicos. Ele ainda disse que a questão das isenções não pode ser vista apenas em relação às armas. Segundo o ministro, o arroz também teve redução de alíquota para a importação.

— Estamos seguindo um plano de mudança da economia brasileira. Tivemos 60 milhões de votos. Estou tentando fazer o que a população pediu pra fazer — declarou o ministro.

Participação popular

O presidente da comissão, senador Confúcio Moura (MDB-RO), disse que a comissão vai encerrar suas atividades no final deste mês e, na próxima semana, já deve ocorrer a apreciação do relatório. O deputado Francisco Júnior informou que já recebeu alguns dos sub-relatórios e disse que pretende entregar o relatório final da comissão na próxima sexta-feira (18).

A audiência foi realizada de forma interativa, com a possibilidade de participação popular. Confúcio Moura destacou a participação de alguns internautas, como Izabele Figueira, de São Paulo, e Wivirton Costa, de Goiás, que enviaram e-mails querendo saber sobre a vacina contra o coronavírus. José Belo, da Bahia, manifestou preocupação com os efeitos econômicos dos lockdowns. A internauta Mônica Souza Serrano, de São Paulo, quis saber os riscos fiscais das medidas tomadas para combater a crise da pandemia.

Em reposta, Paulo Guedes ressaltou que a dívida pública estava sendo derrubada já no primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro, em 2019. Ele disse, porém, que a pandemia levou a dívida a 93% do PIB, um salto de quase 16% em relação ao ano passado.

— Vamos ampliar os desinvestimentos e privatizar. Assim vamos derrubar essa relação, para diminuir o risco fiscal. Vamos trabalhar mais duro ainda — prometeu o ministro.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/12/11/guedes-afirma-em-comissao-da-covid-19-que-nao-faltarao-recursos-para-vacina.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senado vota exigência de representação feminina no Colégio de Líderes na terça — Senado Notícias

Na semana de celebrações pelo Dia da Mulher, o Senado vai analisar um projeto que …